Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

sábado, 9 de abril de 2011

Tears for Fears – The Seeds of Love [1989]


Eu acho este o disco mais bem produzido dos anos 80. Se nos anos 70 a indústria da música nos legou The Dark Side of The Moon, e nos 60 tivemos o magistral Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band, o disco que posto hoje fez a diferença em uma década de excessos e superproduções.


Mais do que pop, mais do que rock, The Seeds of Love foi o ápice criativo da dupla formada por Roland Orzabal e Curt Smith. É o único disco que gosto deles, e isso se deve não apenas às composições primorosas, mas também à produção impecável e ao cast mágico de convidados especiais. A dupla que forma o Tears for Fears é inglesa, e egressa do grupo Graduate, que nunca fez sucesso fora do Reino Unido. Com um estilo Mod/New Wave, eles eram apenas mais um em um cenário já saturado de cópias que bebiam em uma mesma fonte.

As Tias Fofinhas


Formaram oficialmente o Tears for Fears em 1981 e, durante o início dos anos 80, a dupla insistiu no estilo de sua antiga banda, soando, na minha opinião, como um Echo and the Bunnymen ou um Talking Heads de terceira categoria.

Mesmo já tendo os hits Everybody Wants to Rule the World e Shout, os discos da dupla nunca me chamaram a atenção, pois pareciam música de novela da Globo, até que veio The Seeds of Love. Este é o terceiro álbum do Tears for Fears, lançado somente no ano de 1989, quando já tinha quase 8 anos de trabalho e apenas dois discos lançados.

Foi um projeto audacioso e ambicioso, pois custou mais de um milhão de libras, na época. Algo absurdo se pensarmos em uma banda de um hit só. Muito do material foi coletado de gravações de jam sessions e depois ajeitado em estúdio, por meio da já gabada megaprodução.



Woman in Chains, talvez a mais famosa música do disco, traz Phil Collins na bateria e Oleta Adams no piano e vocais. Pino Palladino (The Who) aparece no baixo em algumas gravações. Sowing the Seeds of Love traz as nuances vocais de Orzabal e Smith em uma sequência de dinâmicas simplesmente fantásticas. Ouça-a em alta definição e através de fones de ouvido e entenderás o que estou dizendo. Trabalho absolutamente primoroso da dupla em conjunto com os produtores e uma constelação de músicos convidados.



Badman’s song segue o mesmo estilo, com dinâmicas entre os instrumentos, fazendo com que ora o piano se sobressaia, ora as vozes, enfim, The Seeds of Love foi feito no estúdio, e não deve seu crédito somente aos músicos competentes. Um trabalho de equipe.

Atingiu o número 1 das paradas inglesas e ficou no top 10 americano. Pelo estilo das músicas eu diria que o disco foi feito sob encomenda para o mercado dos sobrinhos do Tio Sam.

Um disco excelente, que foge da rotulação comum. Para escutar em casa, enquanto se degusta um bom vinho (acho que já deixei claro que gosto muito dessas situações).
Ah! E também para semear as sementes do amor....

Track List

1. Woman in Chains
2. Badman’s Song
3. Sowing the Seeds of Love
4. Advice for the Young at Heart
5. Standing on the corner of the Third World
6. Swords and Knives
7. Year of the Knife
8. Famous Last Words

Manu Katché, Chris Hughes, Phil Collins, Simon Phillips (bateria)
Pino Palladino, Curt Smith (baixo)
Simon Clark, Nicky Holland, Oleta Adams, Ian Stanley, Roland Orzabal (teclados)
Robbie McIntosh, Neil Taylor, Randy Jacobs, Roland Orzabal (guitarras)
Carole Steele, Luis Jardim (percussão)
Tessa Niles, Carol Kenyon, Nicky Holland, Dollette McDonald, Andy Caine, Maggie Ryder (backing vocais)
Jon Hassell (trompete)
Peter Hope-Evans (harmonica)

Link nos comentários

Link on the comments


Por Zorreiro

15 comentários:

Anônimo disse...

http://www.mediafire.com/?czr7ecny5j5t4r3

jesusbiblio disse...

album simplesmente espetacular que realmente destoa de todos os outros da carreira do TFF(embora eu nao depreze os outros discos da banda).É muito envolvente e empolgante, os vocais sao divinamente maravilhosos!

Anônimo disse...

não teria sido mais fácil resumir aquilo tudo em new wave, que é o que a banda realmente é?

ZORREIRO disse...

É. Classificações têm esse problema.
Concordo que a banda Tears For Fears seja new wave. Mas esse disco, não. Como eu disse no texto, o trabalho ultrapassa o talento da dupla. É obra dos produtores também.
Imaginar new wave em 1989 fica bem difícil.

by Paulo Neto disse...

espetacular e deveria estar entre os albuns definitivos do rock and roll fame, tipo ao invés de 50 cents...ou kid rock!

Anônimo disse...

Em 1989 eu devia ter uns 16, 17 anos. Já curtia rock "mais pesado", como Kiss (que comecei ouvir muuuito cedo e à época lançara "hot in the Shade", um disco apenas bom, perto do que já tinham feito)e Iron Maiden (que haviam lançado "Seventh son...", cheio de synths e "novidades"), além do rock clássico, como Deep Purple, Led Zeppelin etc.
Mas naquela época era quase impossível evitar a abordagem do pop. E este disco pegou em cheio, com clipe bem bolado e aquela pegada de som meio Beatles da fase lisérgica. Enfim, algo inovador para o talento deles e muito agradável para apreciadores de boa música em geral. Para mim, hoje é uma boa lembrança. Estou baixando o disco, muito agradecido à vocês da Combe. Valeu!

Abraço,

Khlydows

Katia Barbosa disse...

Tias fofinhas!!! Neste ano eu entrei pra facul. Me lembro que tinha uma amiga que não sabia cantar os primeiros versos de Woman in Chains e passávamos o intervalo tentando ensiná-la! Mto bom! O que mais gosto aqui da Combe é o espaço dado a boa música, independente de classificações. Por isso, há mais e mais passageiros todos os dias!

Adorei o post, pplmente por me remeter a um passado maravilhoso!

Tnté a próxima!

marquinho disse...

Foi um projeto audacioso e ambicioso, pois custou mais de um milhão de libras, na época. Algo absurdo se pensarmos em uma banda de um hit só.Vc não deve ser fã da banda,como vc mesmo disse só gosta desse disco.Aqui as músicas de sucesso que a banda de 1 hit só teve.Pale Shelter,Mad World,Change,Mothers Talk,Shout,Everybody Wants to Rule the World,Woman in Chains e Advice for the Young at Heart. Só algumas músicas de sucesso que eles tiveram,e outra o primiero disco do TFF é bem new wave,mais os outros discos eles tem bastante influencia do jazz,rock,pop rock e por ai vai,eles são uma salada de estilos.Então antes de vc postar algum disco conheça a trajetoria da banda e se poder seje fã dela,não poste nada que vc não conheça e sim o que vc conheça e entenda.

Jay disse...

Só me faltava essa, vão nos dizer quando a gente pode ou não fazer um post de acordo com o nível de apreço e conhecimento da banda. Ainda mais um cidadão que escreve "seje".

Anônimo disse...

Seje foi foda

by Paulo Neto disse...

Alguém tem de dizer pro carinha que escreve "seje" e fala poder ao invés de "puder" que melhor do que pegar referências no wikipedia sobre o óbvio da banda, que poderia navegar mais pela combe e aprender sobre música, artistas e portugu~es também.

fer disse...

Post de nivel. Trilha sonora pra um jantar romantico e com algo a mais depois
hehehe...TFF é mto bom!

plugado disse...

Esse disco conheci através de um amigo que era fã da banda, eu era muito radical na época,e os "tias fofinhas" era baba pra mim. quando ele me emprestou o vinil, fiquei embasbacado com o nível das canções, me arrisco a dizer que é um dos melhores discos da decada de 80. Inclusive assisti ao show deles no saudoso hollywood rock, foi fantástico.

plugado disse...

Conheci esse album através de um amigo que era fã da banda, ele dizia que Roland Orzabal era um gênio, e eu era radical na época, "tias fofinhas", ele me emprestou o vinil, fiquei embasbacado com som, perfeito , maravilhoso. Me arrisco a dizer que é um dos maiores albuns da decada de 80. Depois disso virei fã da banda e inclusive assisti eles no hollywood rock.
Julio

Anônimo disse...

Ótimo post, como sempre! Abraço; Diego "Winger".