Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

quarta-feira, 26 de maio de 2010

AGORA COM O LINK: Focus – Hamburger Concerto [1974]

Num passado remoto, quando eu ainda era um garoto vidrado em Rock Progressivo, este aqui era um dos campeões de audiência. Outro dia peguei para ouvir e viciei novamente. Nada mais justo que eu compartilhar com vocês este vício tão saudável.

Quando entrou em estúdio para gravar seu quarto trabalho o Focus havia acabado de perder Pierre Van der Linden. O baterista, membro da formação original, deixou a banda devido a divergências musicais com o recém-chegado baixista Bert Ruiter. O escolhido para substituí-lo foi o ex-Stone the Crows, Colin Allen. Como em time que está ganhando não se mexe a produção novamente ficou a cargo de Mike Vernon, o responsável pelo sucesso de Moving Waves (1972) e Focus III (1973).

Hamburger Concerto foi gravado entre janeiro e março de 1974 sendo finalmente lançado em abril daquele ano. Segundo o guitarrista Jan Akkerman, o nome faz referência ao dia em que ele escreveu o riff principal da faixa-título. “Eu estava no hotel Hilton de Nova Iorque, comendo um hambúrguer e assistindo Tom & Jerry”, diz.

Thijs van Leer

Inspirada numa peça de um antigo compositor belga, “Delitiæ Musicæ” abre o trabalho num clima quase medieval, com Thijs van Leer na flauta e Akkerman no alaúde. Aí vem o single “Harem Scarem” numa tentativa frustrada de repetir o sucesso de “Hocus Pocus”. Logo depois, “La Cathedrale de Strasbourg”, que a despeito de ser cantada em francês, é de longe a minha música favorita do Focus. O encerramento do que eu chamo de ‘pré-show’ fica por conta da esplêndida “Birth”.

E eis que estamos diante do concerto em si. Em pouco mais de 20 minutos de duração, “Hamburger Concerto” conta com seis partes distintas. Cada uma dessas partes é acentuada por alguma influência específica, como “Starter”, por exemplo, que é uma adaptação de um tema clássico de Brahms chamado “St. Anthoni Choral”. Já e letra, escrita em holandês, é baseada em uma velha canção de Natal que questiona a existência do mal em oposição ao bem. Vale a pena ressaltar que mais de 30 instrumentos diferentes foram utilizados pela banda na gravação desta música.

Obra-prima indiscutível!

01. Delitiæ Musicæ
02. Harem Scarem
03. La Cathedrale de Strasbourg
04. Birth
05. Hamburger Concerto: Starter / Rare / Médium I / Médium II / Well Done / One More for the Road

CD Bonus Track:
06. Early Birth

Thijs van Leer – Flauta, Teclados, Vocais
Jan Akkerman – Guitarra
Bert Ruiter – Baixo
Colin Allen – Bateria

LINK NOS COMENTÁRIOS
LINK ON THE COMMENTS

мєαиѕтяєєт

3 comentários:

Anônimo disse...

HAMBURGER CONCERTO [1974]

http://www.multiupload.com/0TO8DGNQ6E

Anônimo disse...

COMENTÁRIOS ANTIGOS:


Posted by Junior ( 24 de maio de 2010 08:54 )

Bom dia! Faltou o link (ou links)... Obrigado.


***


Posted by Anônimo ( 24 de maio de 2010 09:32 )

Comentario com link falhou....

grato se colocar

abraços


***


Posted by GrassHoper ( 24 de maio de 2010 12:19 )

Opa, "Velharia das Boas" DETECTED!!

Mal via a hora de vocês colocarem algo do Focus, é uma banda de muito respeito. Se o pessoal acha que já ouviu de tudo no Rock Progressivo só porque já escutou Pink Floyd e Yes com certeza deve dar uma olhada nisso aqui... o progressivo de holandeses e alemães (alguém aqui já ouviu Nektar??) não deve em nada ao dos britânicos.

Esse ao vivo eu não tinha, assim que o link aparecer (o que não deve demorar, tenho certeza) eu baixo, hehe!

Ao som de Triumph - Stranger In a Strange, abraços!


***


Posted by Jp ( 24 de maio de 2010 12:56 )

Excelente postagem, Focus é muito bom!
só tem que corrigir, pq o comentário do link foi comido, isso rola muito com o blogger mesmo

E GrassHoper, Alemães realmente mandam muito bem, vide Triumvirat e todo o Krautrock


***


Posted by GrassHoper ( 24 de maio de 2010 13:10 )

De fato, Jp... já ouvi um pouco do Triumvirat sim, bebe das mesmas fontes que essas que falei. E desculpe o erro bobo de leitura, o disco é de estúdio mas pelo nome concerto e antes de ler a resenha toda eu erroneamente presumi que fosse ao vivo, acontece, né?

E maldito seja o Blogger devorador de links! :D

Junior disse...

Obrigado!