Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Pretty Maids - Spooked [1997]


Apesar do momento nada propício mercadologicamente falando, o Pretty Maids lançou um de seus melhores álbuns em 1997, exatamente dez anos após seu maior êxito comercial. Mais surpreendente ainda, o fato da vendagem ter sido uma das maiores de toda a carreira dos dinamarqueses. Especialmente no Japão, onde receberam disco de ouro e excursionaram com sucesso. Obviamente, nada disso seria possível sem uma qualidade musical superior. E Spooked dá conta do recado com sobras, com aquela mistura de pegada Heavy Metal com melodias tipicamente Hard, que os transformou em uma banda ‘cult’ na cena, com fãs fiéis.

Após a intro “Resurrection”, o riff de “Freakshow” explode nos alto-falantes, com um estilo muito parecido com o de “Future World”, mega-clássico do grupo. “Dead or Alive” mantém o pique incendiário, com Ronnie Atkins mostrando porque é influência para uma série de vocalistas, especialmente Hansi Kürsch (Blind Guardian). A climática e cadenciada “Die With Your Dreams” mostra que o Pretty Maids teve participação direta na criação da fórmula do hoje famoso Scandi-AOR. O peso ressurge com força total na agressiva “Fly Me Out”, que abre espaço para a melhor do disco, “Live Until it Hurts”. Vou até abrir outro parágrafo para falar sobre a dita cuja, mas já vão a conferindo logo abaixo.



Sabe aqueles sons que você ouve uma vez e não esquece nunca mais? Que fazem a galera pular e cantar junto? Que melodia, que letra, que momento! Um verdadeiro presente divino. Após esse furacão sonoro, fica até difícil seguir escutando. Mas a faixa-título ajuda, com suas guitarras envolventes e backing vocals gritados que se encaixaram maravilhosamente. “Twisted” mergulha nas raízes Power Metal da banda, uma das fundadoras do estilo, junto com o Helloween, como já admitiu Michael Weikath em entrevistas. Quando a gente pensa que nada mais surpreende, eis que surge “If it Can’t Be Love”, simplesmente a melhor balada da história do Pretty Maids. O refrão tem uma melodia que chega a lembrar “Rough Boy”, do ZZ Top, simplesmente emocionante, para fazer corações partidos sangrar até a morte.

Mantendo o clima Hard iniciado com a anterior, “Never Too Late” é simples e direta, com alma roqueira em sua composição, com cara de que seria hit se as rádios FM tocassem coisa boa. “Your Mind is Where the Money is” já começa sensacional pelo título e segue o padrão da anterior. Na seqüência, o belo cover para “Hard Luck Woman”, do KISS. Não mudou muita coisa da original, exceto por umas guitarras extras aqui e acolá. Para fechar com chave-de-ouro, a pancadaria volta a comer solta em “The One That Should Not Be”, com vocalizações intensas no refrão, que foge do lugar comum das composições do gênero.

Mesmo com todas as expectativas contrárias, o Pretty Maids atingiu o sucesso novamente fazendo aquilo que sabe de melhor. Spooked merece estar na coleção de todos os amantes dos bons sons, assim como vários plays da carreira dos dinamarqueses. Incluindo Pandemonium, o disco mais recente, que é um dos melhores lançados esse ano.

Ronnie Atkins (vocals)
Ken Hammer (guitars)
Ken Jackson (bass)
Michael Fast (drums)

Special Guest
Alan Owen (keyboards)

01. Resurrection
02. Freakshow
03. Dead or Alive
04. Die With Your Dreams
05. Fly Me Out
06. Live Until it Hurts
07. Spooked
08. Twisted
09. If it Can’t Be Love
10. Never Too Late
11. Your Mind is Where the Money is
12. Hard Luck Woman
13. The One That Should Not Be

Link nos comentários
Link on the comments


JAY

5 comentários:

Anônimo disse...

Pretty Maids – Spooked [1997]

77 MB
192 kbps

http://www.mediafire.com/?myp2ze3he4hdpgl

mgtattoos disse...

Um dos melhores discos do Pretty Maids, junto ao Future World e Carpe diem. Falando em Carpe diem, pensava o mesmo da balada "if can´t be..." até que ouvi "Clay" (carpe diem).

Hairbanger disse...

conheco a carreira dos caras ateh Jump The Gun, apenas discos maravilhosos... mas sempre fiquei meio com o pé atrás para conhecer o resto afinal os discos foram lançados na obscura decada de 90. com esse review acabei de descobrir que esses caras nao mudaram em nada o som. belo post... baixando!

Anônimo disse...

Pra mim, o "Jump The Gun" é o melhor, mas o PM sempre produziu álbuns excelentes.

AlBassPlayer
Curitiba

jantchc disse...

acho q é o 1º cd deste pessoal q eu vou ouvir..

só a resenha já é incentivo o suficiente pra baixar..