Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

sábado, 11 de dezembro de 2010

Guardians of the Flame - Under a Savage Sky [2003]


Após sair do Virgin Steele, o guitarrista francês Jack Starr apresentava uma dificuldade tremenda em lidar com as pessoas em uma banda e nos três anos seguintes a sua saída do Virgin Steele gravou seis discos com quatro grupos. Obteve um razoável sucesso com o Burning Starr e só conseguiu atrair a atenção massiva da mídia com a polêmica de ter assinado um desses discos como Lucifer. Vinte anos após ter gravado um clássico do Heavy Metal e quando todos pensavam que Jack não faria mais nada de relevante em sua carreira desde sua saída do VS, eis que o tinhoso ressurge com o Guardians of the Flame.

Jack Starr deu as caras com discos solos depois de quase dez anos afastado da música e pouco depois formou o Guardians of the Flame, trazendo seu antigo parceiro do Burning Starr, Ned Meloni (baixo), o baterista Joe Hasselvander (Raven), e completando a banda, um dos melhores vocalistas da cena cult do Heavy Metal, o israelense Shmoulik Avigal. Ned e Shmoulik também estavam afastados por um longo tempo da cena, embora Shmoulik alegue que fez parte de seis projetos após o rompimento do The Rods em 1987. No entanto, esses projetos são mais obscuros que seu nome e sua nacionalidade, pois não se tem nem rastros.

Under a Savage Sky é disparado o melhor trabalho de Jack Starr desde o clássico de mesmo nome que gravou com o Virgin Steele em 1983. Shmoulik apesar de não ter mais aquele vozeirão limpo e apresentar uma voz mais rouca e agressiva, continua dando aula de como cantar Heavy Metal. A cozinha destaca o excelente trabalho de Hasselvander, que é um daqueles bateras ao estilo de Lars Ulrich, não cria linhas percussivas 'corretas', mas sabe muito bem o que tá fazendo. E o trabalho de Jack Starr representa definitivamente seu melhor desempenho em toda a carreira, principalmente em termos de técnica e arranjo.



Quem conhece os trabalhos de Jack Starr nos anos 80 nem precisa ser avisado que o som praticado aqui é o mais genuíno Heavy Metal. Não adiantou seu antigo desafeto e ex companheiro de banda David DeFeis ter tentado gorar o Guardians of the Flame, pois o álbum surpreendeu todas as expectativas e apresentou uma qualidade suntuosa. A nostalgia corre solta na faixa de abertura "The Flame Never Dies" não só pelo som que remete aos anos 80, mas pela estrofe cantada antes do último refrão, onde é citado alguns títulos de discos e músicas das antigas bandas de Jack Starr, em especial Burning Starr e Virgin Steele.

"Conspiratos Sanctos" além de possuir um riff principal majestoso na escola do Doom clássico e ser um dos maiores destaques do disco, mostra a irreligiosidade de Jack Starr apunhalando a escória institucionalista predominante, fazendo uma bela referência aos papas, sacerdotes, templários e afins, com o trecho final: "Alianças profanas, feitas no escuro. Os visitantes celestes, não deixam nenhuma marca terrestre". Se bem que, entrando no fundo da questão existem marcas, sim! Alienação, pederastia, degradação, etc. Mas, enfim, deve estar subentendido a questão de marcar relevantemente com algo em prol da sociedade.

Depois de oferecer uma visão contestadora e elogiável, o disco prossegue com a rápida "Cry for Dawn" que conta com a participação do guitarrista Paul Chapman (UFO, Waysted, Skid Row irlandês). Outro momento impactante vem a seguir com "Anthem for the Nations", um daqueles instrumentais geniais onde se poderia tirar uns cinco temas de guitarra pra 'embrionar' outras músicas, sem contar os constantes solos matadores sem notas emboladas. Outra participação especial surge em "I Stand Alone", dessa vez o guitarrista do britânico Raven, Mark Gallagher. Essa música juntamente com "Masters of Fate" brindam os fãs com mais de oito minutos de Heavy Metal da mais alta qualidade.



Under a Savage Sky teve uma receptividade incrível no mundo inteiro, lançado até em terras tupiniquins, surpreendendo o próprio Jack Starr que chegou a cogitar o lançamento do segundo disco. Mas sua intenção era mesmo de gravar apenas um disco, com uma grande formação, proporcionar uma incomparável nostalgia aos saudosistas e regozijar o público mais novo com a velha - mas jamais obsoleta - fórmula de fazer Metal, sem se esquecer da atitude de criticar os valores da sociedade ao invés de versar sobre dragões cuspindo fogo em volta do castelo medieval.

01 - The Flame That Never Dies
02 - Conspiratos Sanctos
03 - Cry for Dawn
04 - Anthem for the Nations
05 - Sharon of the Woods
06 - Under a Savage Sky
07 - I Stand Alone
08 - Personal Demons Dethroned
09 - Masters of Fate
10 - Return From the Ashes

Shmoulik Avigal - Vocals
Jack Starr - Lead/Rhythm/12-string Acoustic Guitar
Ned Meloni - Bass
Joe Hasselvander - Drums, Percussion, Rhythm Guitar

Guest Musicians :
Paul Chapman - First Lead Solo on "Cry for Dawn"
Mark Gallagher - First Lead Solo on "I Stand Alone"

(Links nos comentários - links on the comments)

Dragztripztar

Da esquerda para direita: Joe Hasselvander, Jack Starr, Shmoulik Avigal & Ned Meloni

3 comentários:

Anônimo disse...

http://www.mediafire.com/?shfxhfeahh19j49

mgtattoos disse...

o motivo pelo qual vou baixar é pra ouvir o S. Avigal. Foi o vocal do Picture no lp Diamond Dreamer, na minha opiniao um dos melhores discos de metal dessa epoca.

Anônimo disse...

Vou conferir!