Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Skoe – S/T [1996]

Capa feita por mim... De novo!

Formado em meados dos anos 90, o Skoe reflete um período pra lá de confuso na história do Love/Hate que eu vou tentar contar da forma mais breve possível. Como Jizzy Pearl e Skid viviam em pé de guerra, o vocalista resolveu dar um tempo. Nesse ínterim, aproveitou para dar continuidade ao seu projeto paralelo, o Sineaters. A coisa ficou feia quando o então baterista do Love/Hate, Joey Gold resolveu quebrar um galho para Jizzy assumindo as baquetas no Sineaters. Skid se sentiu traído e, a exemplo de Jizzy, formou um projeto paralelo o qual batizou de Skoe.

A primeira formação do Skoe contava com Skid na guitarra e vocais, um pateta qualquer no baixo e Joey na bateria – sim, Sineaters e Skoe possuíam o mesmo baterista. Depois de alguns meses de ensaio, o trio descobriu que Skid como vocalista era um ótimo baixista, logo, o mesmo retornou ao baixo deixando a guitarra a cargo do na época ex-Love/Hate, Jon E. Love. Para os vocais, uma cantora negra, Moe. Resumindo: o Skoe nada mais é que o Love/Hate sem King Jizzo.

A adição da nova vocalista deu um novo gás ao conjunto, que certo tempo depois, adentrou estúdio para registrar sua fita demo. Mas a brincadeira durou pouco. Assim que pintou uma oportunidade para gravar novamente como Love/Hate, Skid e os outros botaram a neguinha pra correr. E, conforme os sons escritos pelo Skoe foram sendo reeditados pelo Love/Hate, Skid foi pagando pela língua. “Love/Hate tocar essas músicas? Nunca!”. Pois é...

Já que acabei me prolongando demais no caráter histórico, vou dedicar este último parágrafo a comentar brevemente sobre a música em si. Por se tratar apenas do “Love/Hate sem King Jizzo”, a semelhança musical entre Skoe e Love/Hate é completa. A voz da tal Moe se encaixa bem na proposta de hard rock sujo dos caras. Detalhe interessante é que, por mais que eu seja fã de carteirinha do REI, canções como Rubberina e Boom Boom Boom são imbatíveis quando cantadas pela xará do taberneiro dos Simpsons.

01. Eat Me Alive
02. Rubberina
03. We Are The One
04. Sticky Fingers
05. Explode
06. All I Need
07. Low Branches
08. It Shines
09. Boom Boom Boom
10. Hit The Wall
11. The Crying Game

Moe – vocais
Jon E. Love – guitarra
Skid – baixo
Joey Gold – bateria

LINK NOS COMENTÁRIOS
LINK ON THE COMMENTS

Até os grafiteiros da minha quebrada manjam o som do Skoe! Hehe

@mvmeanstreet

2 comentários:

Anônimo disse...

http://www.mediafire.com/?l41zcr1718tkq2o

Hairbanger disse...

bela capa...