Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

sábado, 27 de agosto de 2011

George Lynch – Sacred Groove [1993]


Após anos de sucesso, o Dokken se separou, em decorrência, principalmente, das diferenças musicais e pessoais entre o guitarrista George Lynch e o vocalista Don Dokken. Juntamente do baterista Mick Brown, George formou o Lynch Mob, mas o grupo não viveu por muito tempo, apenas o suficiente para registrar dois álbuns e se separar graças às baixas vendas destes.

Após tirar merecidas férias de quase um ano com sua família, George Lynch voltou para o mercado musical investindo em sua carreira como artista solo. O primeiro fruto da nova empreitada foi “Sacred Groove”, lançado em 1993. O disco envolve uma perspectiva mais liberal que qualquer outra banda que o guitarrista tenha se envolvido.



A intenção era dar destaque ao homem, tanto que quatro das dez faixas são instrumentais. Quando se diz que “Sacred Groove” é mais liberal, tem a ver com as influências. Do começo ao fim, Lynch passeia por vários estilos, como o Hard Rock, o Heavy Metal, o Blues e a música latina. E tudo isso de forma linear, pois George é um dos poucos guitarristas que construíram um estilo tão peculiar a ponto de se identificar que é o próprio tocando logo nos primeiros segundos de uma canção. Suas técnicas de tapping e slide, bem como seu estilo de construir fraseados na guitarra, são únicos.

O guitarrista contou com um time de feras para a gravação do álbum. A maior parte do instrumental ficou a cargo do baterista Denny Fongheiser (Heart) e do baixista Jeff Pilson, antigo colega de George no Dokken, além das participações especiais de vários músicos, com destaque ao até então promissor gaitista Little John Chrisley.



Porém, a grande surpresa fica por conta dos vocalistas convidados para as faixas não-instrumentais. Lynch tratou de convocar os irmãos Matthew e Gunnar Nelson, o incrível Ray Gillen (falecido ainda no ano do lançamento deste registro), o veterano Glenn Hughes e a pouco conhecida mas competente Mandy Lion.

Pouco mais de um ano após o lançamento de “Sacred Groove”, o Dokken voltou às atividades e com a formação clássica, que envolve o próprio guitarrista. A reunião não durou muito, rendendo ainda mais discos para sua carreira solo – algo positivo, tendo em vista a qualidade deste álbum em especial e as capengadas em discos da banda, como "Shadowlife". Recomendado para fãs de Rock no geral, incluindo as faixas instrumentais, pois George Lynch pode conversar pela guitarra: acredite se quiser!



01. Memory Jack
02. Love Power From The Mama Head
03. Flesh And Blood (Ray Gillen)
04. We Don't Own The World (Matthew & Gunnar Nelson)
05. I Will Remember
06. The Beast Part 1 (Mandy Lion)
07. The Beast Part 2 (Mandy Lion)
08. Not Necessary Evil (Glenn Hughes)
09. Cry Of The Brave (Glenn Hughes)
10. Tierra Del Fuego

Vocalistas listados acima
George Lynch - guitarra, sitar, violão
Jeff Pilson - baixo, piano
Chris Solberg - baixo
Tommy Hendricks - baixo
Denny Fongheiser - bateria
Chris Furman - Mellotron
Byron Geither - órgão
Little John Chrisley - gaita
Sam Fear - flauta
Pattie Brooks - backing vocals
Tony Menjivar - congos e bongos

(Links nos comentários - links on the comments)

by Silver

7 comentários:

Anônimo disse...

George Lynch – Sacred Groove [1993]
(53,5mb ~ 160kbps)

http://www.multiupload.com/YYJKP41DG5

Eduardo Paiva disse...

Sempre admirei Lynch no Dokken e no Lynch Mob, então é obrigação baixar esse álbum!
Valeu Silver!

Rex Niskke disse...

porra,a musica que ele gravo os irmaos nelson,é a melhor musicas que os mesmo ja gravaram,e olha que pra superar o after the rain,tem que ser mais do que um tremendo de um musicao!!!

discaço e lynch manda demais!!!!

Anônimo disse...

Sempre tive muito respeito pelo som praticado pelo Dokken, principalmente depois de comprar o LP 'Tooth And Nail' justamente quando estive no Rio de Janeiro, para assistir ao primeiro Rock In Rio. De cara, virei um admirador da fórmula musical da banda, músicas sérias e ótimos instrumentais, uma voz que imprime identidade, e todo um astral que realmente cativava o ouvinte.
Mas o Dokken não seria a banda excelente que é se não fosse por George Lynch, que é o responsável pela imagem Hard & Heavy que fez o sucesso dos trabalhos do Dokken.
Sua guitarra endiabrada (boa época das Charvel Jackson) e os riffs e solos, faziam o som ser uma marca registrada desse Hard Rock pesado e melódico.
Vale a pena sempre ouvir as músicas desse fera!

Long Live Rock'n'Roll!

abilio disse...

muito obrigado amise iommi!!! os dokken nunca forem o meu cha,mais emfim vou houvir isto com muita atençao!!! um abraço desde frança!

SELVA disse...

Baixando! valew combi!!!

Anônimo disse...

Mandy Lion na verdade é um homem e não uma mulher, ele é vocalista do WWIII