Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Poison – Crack a Smile... and more! [2000]


O Poison tem duas formações:

1) a clássica, com Bret Michaels nos vocais, CC DeVille nas guitarras, Bobby Dall no baixo e Rikki Rocket na bateria; e

2) a segunda, com Ricthie Kotzen substituindo DeVille, dando um show de musicalidade e conquistando aqueles que não curtiam o som da banda porque achavam muito simples ou, mesmo, mal tocado.

Ah! Um tal de Blues Saraceno substituiu Kotzen no show que o Poison fez no Hollywood Rock no Brasil. Quem? Bem, parece que foi só o que o cara fez...

Pois, senhoras e senhores, Blues Saraceno é um dos melhores e mais criativos guitarristas do mundo. Não é marqueteiro como Ritchie Kotzen ou CC DeVille, e talvez por isso seja tão ignorado pelos fãs do Poison. O cara é guitarrista, compositor e produtor de mão cheia. Teve o azar de entrar no Poison na época errada, quando o estilo musical não vendia mais como antes e por ter que suceder um monstro como Kotzen, que fez aquele que, na minha opinião, é o melhor disco da carreira da banda até os dias de hoje.

Norte americano assim como Kotzen, Blues Saraceno foi considerado um menino prodígio quando descoberto aos 16 anos pela revista Guitar For The Practicing Musician e que chegou a excursionar com Jack Bruce e Ginger Baker (sim, eles mesmos). Em 1994 entrou no Poison para preencher o espaço deixado por seu antecessor que, dizem, foi demitido porque teria dado um trato na esposa de Rikki Rocket. Fofocas à parte, a história desse disco começa aqui.





Crack a Smile estava sendo gravado já no ano de ingresso de Saraceno, em 1994, quando os trabalhos foram interrompidos em função de um acidente automobilístico sofrido por Bret Michaels que o deixou fora de ação por um bom tempo. As gravações somente continuaram no ano seguinte, mas, nessa pausa, o clima esfriou bastante entre os músicos e a gravadora não acreditava mais no típico hard rock oitentista dos caras. Foi optado, então, pelo lançamento de um Greatest Hits, e as gravações com Saraceno foram colocadas na geladeira.

A banda então se dissolveu (para depois voltar com CC DeVille) e o disco foi pirateado ao extremo, sem nunca ter sido lançado oficialmente durante anos. Somente em março de 2000, já com o dito retorno da formação clássica engatilhado, a Capitol Records lança Crack a Smile... and more!, com as 12 faixas oficiais de Crack a Smile, 3 outtakes das sessões de gravação do disco, um outtake de Open Up and Say...Aahh! (postado aqui com uma resenha fantástica do incansável Silver) e quatro músicas gravadas do show MTv Unplugged, quando CC DeVille ainda integrava o grupo.

Se a intenção era lançar um caça níqueis, o tiro saiu pela culatra. As vendas não foram boas (e, diga-se, a divulgação sequer existiu). Muito fã do Poison não conhece esse disco. Não conhecia, caro passageiro, porque agora vai conhecer!



Destaco as faixas de Crack a Smile, porque o “more” do disco é apenas um plus dispensável. Sexual Thing mostra exatamente o porquê dos elogios tecidos a Saraceno. Feeling e punch de sobra. Best Thing You Ever Had traz um Poison que lembra o de Native Tongue, com backing vocais perfeitos e harmonia madura, com arranjos bem trabalhados. Be the one é quase uma balada, mas tem uma certa agressividade que parece latente por todo o play.





A parte do “more” traz um outtake de Open Up que não entendo por que não saiu em um relançamento do próprio disco. Face the Hangman é o climão californiano clássico. As acústicas também merecem um comentário: por que não lançar um acústico MTv? Porque, em 2000, esse formato já havia saído de moda. Mais uma do disco que está fora do timming.

Mas Crack a Smile...and more! é um excelente disco, que mostra o Poison que quase existiu na segunda metade dos anos 90. Pra fã e todos os que gostam de rock bem tocado.

Track List

1. Best Thing You Ever Had
2. Shut Up, Make Love
3. Baby Gets Around a Bit
4. Cover of the Rolling Stone
5. Be the One
6. Mr. Smiley
7. Sexual Thing
8. Lay Your Body Down
9. No Ring, No Gets
10. That's the Way I Like It
11. Tragically Unhip
12. Doin' as I Seen on My TV
13. One More for the Bone (Outtake)
14. Set You Free (Outtake)
15. Crack a Smile (demo)
16. Face the Hangman (Outtake de Open Up and Say... Ahh!)
17. Your Mama Don't Dance (MTv Unplugged)
18. Every Rose Has Its Thorn (MTv Unplugged)
19. Unskinny Bop (MTv Unplugged)
20. Talk Dirty to Me (MTv Unplugged)


Bret Michaels (vocais, guitarras)
Rikki Rockett (bateria, backing vocais)
Bobby Dall (baixo, backing vocais)
Blues Saraceno (guitarras, piano, backing vocais)
C.C. DeVille (guitarras e violões nas faixas 16 a 20)

Link nos comentários
Link on the comments


Por Zorreiro

9 comentários:

Anônimo disse...

http://www.mediafire.com/?mq1wfvu8w52t77g

Rex Niskke disse...

nehum comentarios até agora?!?! 'O'
intao terei as horras de ser o primeiro como grande fã da banda que sou!! o/

esse disco é mto bom,na minha opiniao melhor que alguns disco lançados antes deste,mas enfim opinioes a parte,esse foi o ultimo disco do poison que pode ser considerado bom e um disco de verdade(acho o hollyweird um disco completamente sem inspiraçao),de qualquer modo um baita de um disco que foi deixado de lado nao só pela gravadora e pelos "fãs",mas assim comoa propria banda,ja que como dito,nem turne de divulgaçao teve,enfim um puta disco que comc erteza td serq ue se diga fã da banda com certeza vai gostar!!! e parabens pelo post e pela ótima resenha zorreiro!! :)

ZORREIRO disse...

Rex, o único comentário.
Muitíssimo obrigado.
Mas eu já imaginava o pouco IBOPE, afinal, esse disco não é um "medalhão", apesar de ser muito bom.

Silver disse...

Acho esse disco pouco inspirado, mas ainda assim de qualidade.
Parece que o Poison já ficou carimbado demais depois do "Native Tongue", que foi o melhor deles pra mim.

dnlz disse...

Puxa eu gosto mais desse album do que o Native heheheh , adoro o Kotzen , mas gosto muitissimo do Blues . Acho esse disco mais alto astral que o Native que só fui começar a gostar faz pouco tempo , maravilosos esse album.

Dynasty disse...

Sobre o Poison:
Onde o Poison venceu o Enuff?

Venceu porque seu "Look what the Cat Dragged In" elevou ao máximo a idéia de subversão. Tenho que nenhuma banda pode entrar para o mundo do Rock'Roll e ser inofensiva. Não ser contundente.

Todos que venceram nesta "música dos diabos" ofenderam seu público em algum momento. O instigaram a refletir.

O Poison foi a radicalização de um determinado período. O album citado acima chocava por um travestismo dissociado do homossexualismo que permitiu, a uma geração de seguidores, a expressão de um homem do final do século mais delicado e intimista - prenunciando a nova concepção de relação baseado no afeto - substituindo, em muito, a dureza machista dos a nos 60-70. Banda marcante para minha geração.

Repostagem de comentário. Abraço a todos na Combe.

Anônimo disse...

- Parabéns pelo post...


- Alguns pitacos...


- O Blues foi convocado p/as audições de guitarristas, não foi escolhido (assumiu kotzen) Não foi escolhido p/um motivo óbvio estilo e BELEZA, é feio e se veste como Grundge... Assim como no começo do Poison nas audições p/guitarrista o Slash foi preterido e assumiu CC deville...

- No Poiso o melhor guitarrista foi o C.C DEVILLE, ele nem chega aos pés dos posteriores, mas ele carrega a ALMA da banda...

- Quem tem dúvidas com relação ao Blues... PROCUREM PELOS CD´S DA CARRERA SOLO DELE... O cara é genial, "beira" um Jimi Hendrix.


- OBS; não sabia da História deste álbum, eu tenho ele mas sem os bonus... Valeu !!!

Emerson disse...

Realmente só fiquei sabendo desse disco depois de alguns anos do seu lançamento. Depois vou ouvi-lo melhor. Fui no show do Poison n Hollywood Rock (ao lado dos Titãs e do Aerosmith) e vi muita gente malhando os caras (até na globo, que sempre passava os shows do RJ, onde um aéreo Thunderbird falou "antes do rock n roll de verdade do Aerosmith, vamos ficar com essa baba do Poison...')
O show foi correto e cheio de energia, mas, mesmo um músico inferior, C C DeVille fez falta. Ainda considero Flesh and Blood um dos melhores discos da era da morte do Hard Rock, ao lado de outros discos 'cabeça', como Dog Eat Dog, Keep the Faith, Fear no Evil e Heartbreak Station...

[]´s
Merso

Anônimo disse...

Link off!