Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Black Sabbath - Heaven And Hell [1980]


Se a Combe é do Iommi, Black Sabbath é indispensável!

Ozzy Osbourne já sofria bastante quando deixou o Black Sabbath pela primeira vez, em 1977. Além de problemas pessoais com os abusos de substâncias ilícitas, já constantes há um bom tempo, Ozzy entrou em depressão após o falecimento de seu pai, culminando em sua saída. Dave Walker, ex-vocalista do Fleetwood Mac, ocupou o posto por pouco tempo até que o príncipe das trevas decidiu regressar, também por um curto período de tempo, porque foi despedido da banda por conta dos problemas que causava devido aos vícios, já em 1979.

Quando todos os fãs esperavam que um substituto à altura não seria encontrado (Walker não agradou em sua única apresentação com a banda em um programa da BBC), eis que a trupe surpreende a todos ao investir no recém-saído vocalista do Rainbow, Ronnie James Dio. Seu antigo chefe, Ritchie Blackmore, acabou o mandando para a rua por conta de diferenças musicais - Blackmore queria fazer um som mais comercial enquanto Dio pretendia seguir a proposta anteriormente apresentada pelo grupo.

A line-up ainda sofreu uma adição: o ex-guitarrista e tecladista do Quartz, Geoff Nicholls, foi convocado inicialmente para as sessões de composição em substituição do baixista Geezer Butler, que estava se divorciando na época e cogitava deixar a banda, mas Butler se manteve e Nicholls foi aproveitado nos teclados, posto que ocupou pelos seguintes 23 anos. E não é que a nova união deu certo?! Todo o processo de composição e gravação acabou em janeiro de 1980, mas o play só viu a luz do dia em 25 de abril do mesmo ano, por conta, principalmente, da produção perfeccionista do grande Martin Birch.

A demora compensou, pois "Heaven And Hell" foi responsável por reerguer os pais do Heavy Metal, apagados por conta dos lançamentos anteriores, bem fracos se comparados aos primeiros. E o melhor: os caras não retomaram o sucesso apenas fazendo "mais do mesmo", já que Dio se tornou influente nas composições e liderou todas as líricas. Nos primeiros discos do Black Sabbath, a sonoridade flertava para nuances bem obscuras e sombrias (o que deu subsídio para o nascimento do Doom Metal no futuro), enquanto que, nos sucessores, arranjos experimentais e adição exagerada de sintetizadores tomou conta da música do Sabbath.



Já em "Heaven And Hell", o grupo manteve a consistência e a pureza do Heavy Metal, apostando em canções mais diretas e rápidas do que já havia se apresentado anteriormente. Nota-se algumas pitadas de Hard Rock simples pelo fato de várias melodias não soarem tão sombrias de fato, e isso se torna perceptível em faixas como "Wishing Well", "Lady Evil" e "Walk Away".

A essência que consagrou os ingleses continua saliente no quesito geral, com trilhas do cunho de "Die Young", "Children Of The Sea" e a própria faixa-título lembrando, em termos, o antigo Black Sabbath. Mas, de fato, Dio deu sangue novo ao grupo, que criou uma identidade avulsa ao Sabbath de Ozzy - mais melodia, mais poesia e vozes pra lá de potentes se destacam na tal "nova identidade". Além dos fantásticos e poderosíssimos vocais de Ronnie, que dispensam comentários, tem-se a cozinha avassaladora de Geezer Butler e Bill Ward, as guitarras pesadas de Tony Iommi e os teclados coesos de Geoff Nicholls, que fizeram a diferença por aqui.

Não é a toa que a recepção foi ótima: "Heaven And Hell" obteve disco de ouro nos Estados Unidos, no Reino Unido e no Canadá com apenas um ano de circulação, e hoje já passou do primeiro milhão de cópias vendidas na terra do Tio Sam. Sem contar que o play permanece como um dos prediletos dos fãs da banda e do gênero. É uma pena que Dio tenha ficado pouco e que a história do Black Sabbath tenha sido tão arrastada após sua saída...

Verdadeiros hinos do metal estão presentes aqui e merecem destaques, como a paulada "Neon Knights", a sombria faixa-título, a roqueira "Lady Evil", a pesadíssima "Children Of The Sea" e "Lonely Is A Word", uma canção genuinamente "iômmica" com solos de guitarra emocionantes. Com vocês, uma pedrada que merece a conferida!

01. Neon Knights
02. Children Of The Sea
03. Lady Evil
04. Heaven And Hell
05. Wishing Well
06. Die Young
07. Walk Away
08. Lonely Is the Word

Ronnie James Dio - vocal
Tony Iommi - guitarra
Geezer Butler - baixo
Bill Ward - bateria, percussão
Geoff Nicholls - teclados

(Links nos comentários - links on the comments)

by Silver

15 comentários:

Anônimo disse...

Black Sabbath - Heaven And Hell [1980]

http://lix.in/-842b57

jantchc disse...

puta discaço....

na minha opinião melhor q a maioria dos discos do ozzy com o BS..

na minha opinião no BS ele foi muito bom, mas ainda prefiro a fase dele no rainbow...

Rick disse...

meu pai tem todos os cds desses caras...

Me identifico mais com o som q o lyn posta, mas gostei do texto e gosto do Black Sabbath.

Parabéns, Silver.

ZORREIRO disse...

Que resenha, Silver!!!
Por mais que se conheça a história, o texto surpreende pela excelência.
E vem acompanhado de um dos melhores discos do metal.

GrassHoper disse...

è mesmo, acho que desde a volta vocês não colocaram nada do Sabbath, mas pra se redimirem tascaram logo um dos melhores da banda, perfeito!!

Algumas das canções mais emblemáticas da história do metal marcam presença nesse play fodástico, obrigatório mesmo!

Mais uma grande postagem e resenha, Silver, parabéns!

GrassHoper disse...

Ih, falei miércoles, kkkkkkk! Vi que vocês já postaram outros três materiais do Black Sabbath, foi mal! :P

Mais uma vez parabéns pelo incrível post!!!

arthur disse...

dio com o gas todo. do caralho.

fernando disse...

Black Sabbath sim é indispensável na combe, ao contrário de toda essa gambiarrada glam metal...

Marcelo disse...

descanse em paz,mestre

GrassHoper disse...

Tô comentando neste post de novo e ainda muito triste pela perda do mestre, a ficha não caiu fácil...

Coincidência tensa a postagem dessa obra-prima e o acontecimento dessa fatalidade com tão poucos dias de intervalo, não?... A vida segue aqui mas o luto ainda é forte.

R.I.P. Ronnie, Stand Up And Shout There Above!

Anônimo disse...

Post do caralho (y) muito bom

Anônimo disse...

Não posso dizer que Ozzy foi pior que Dio, porém, inegávelmente Dio não só restaurou, como dito no post, como também marcou o Black Sabbath e o Metal com o Heaven and Hell, e na MINHA opinião, Dio supera o também fera Ozzy.

André Fz. disse...

Grato pela postagem.

Cara, tens como postar o The Mob Rules? (já que a combe é do Iommi)
Procurei por vários sites parceiros, mas só acho o Live at Hammersmith - disco 2.

Anônimo disse...

o mais loko de toda a carreira, cara, sou apaixonado por esse disco.

Anônimo disse...

Esse disco dispensa comentários...só ouvindo mesmo pra saber.

Valeu pelo post!