Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Dire Straits – Love Over Gold [1982]

O ano era 1982 e o Dire Straits, que já havia incrementado sua música com arranjos mais complexos em Making Movies (1980), continuou rumo ao progressivo em seu álbum seguinte, Love Over Gold, obra-prima que apresento na postagem de hoje. Gravado entre março e junho de 1982, o quarto trabalho de estúdio da banda foi lançado no 20º dia de setembro e permaneceu no topo das paradas britânicas por quatro semanas. Consiste também no último registro a contar com o baterista da formação original, Pick Withers.

Com duração de 41 minutos, Love Over Gold não é o disco mais longo do Dire Straits, mas é o que possui a música mais longa da banda até então, a climática faixa de abertura, “Telegraph Road”, de 14 minutos, escrita por Mark Knopfler durante uma viagem de ônibus pela Telegraph Road de Detroit na qual lia o premiado livro Os Frutos da Terra, do autor norueguês Knut Hamsun. Ainda no lado A da bolacha, vem “Private Investigations”, o single foi o maior hit do álbum – 2º lugar na Inglaterra e 1º lugar absoluto na Holanda.

O lado B tem início com outro single, “Industrial Disease”, canção que apesar de curta, faz inúmeras referências, sendo a principal delas, à crise em que a indústria da Inglaterra estava inserida no começo dos anos 80. Nesse âmbito, pode-se dizer que “Industrial Disease” dialoga com “Telegraph Road”, pois os dilemas são os mesmos, o que muda é apenas o cenário – campo em um, metrópole em outro. Na seqüência temos a intimista faixa-título e sua letra que vale como ensinamento – a propósito, cabe mencionar que além de compositor e músico do mais alto nível, Mark Knopfler é um letrista fodido.

“It Never Rains” é a estação terminal do álbum, com andamento mais acelerado que suas anteriores, quebrando o clima viajante por elas ocasionado, mas com Knopfler arrasando no melhor solo de todo o álbum. E antes que eu me esqueça, é preciso ressaltar a capa, que é uma das mais belas que já vi – caso raro de obra-de-arte embalando obra-prima. Na medida em que fala por si só – assim como tudo lançado até hoje pelo Dire Straits –, Love Over Gold dispensa definições. Faça questão de tê-lo em sua coleção.

01. Telegraph Road
02. Private Investigations
03. Industrial Disease
04. Love Over Gold
05. It Never Rains

Mark Knopfler – vocais e guitarra-solo
Hal Lindes – guitarra-base
Alan Clark – piano, órgão e sintetizadores
John Illsley – baixo
Pick Withers – bateria

Músicos adicionais:
Ed Walsh – sintetizadores
Mike Mainieri – marimba e vibrafone em 02 e 04

LINK NOS COMENTÁRIOS
LINK ON THE COMMENTS

мєαиѕтяєєт

6 comentários:

Anônimo disse...

http://www.mediafire.com/?13dxfvlnjxj5yxp

Lyn disse...

Não curto o Dire, mas sua resenha está impecável! Congrats!

Lenon Rangel disse...

sangue suga passando, oi!

Anônimo disse...

otimo post
Dire é sensacional, sem palavras!

ZORREIRO disse...

Resenha impecável e disco idem.
Aqui Knopfler se firmou na cena mundial como um perfecionista.
Fama que o próprio nega, dizendo em várias entrevistas que apenas deixa a banda fluir.
Se for verdade... que time, hein!!!!
E, de fato, na carreira solo ele nunca conseguiu a mesma química de grupo que tinha com o Dire.

Anônimo disse...

Obra prima!