Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Scorpions - In Trance [1975]


Se você pedir aos fãs de hard rock em todo mundo fazer um top 5 das melhores bandas do estilo, pode ter certeza que o Scorpions estará na lista de pelo menos 90% dos questionados. Não à toa, pois com certeza foi e ainda é uma das grandes bandas do estilo, sem falar das portas que eles abriram para outros grupos fora do eixo anglo-americano aparecem. E com certeza muitos estão tristes com a notícia de que eles irão encerrar suas atividades, mas com toda a contribuição dada, podemos dizer que é um merecido descanso.

Após o inicio conturbado com a saída de Michael Schenker após o primeiro álbum (que, diga-se de passagem, mostrava uma banda perdida), acabam por separar o grupo. Mas tudo recomeça após Rudolph convidar um amigo guitarrista, Ulrich Roth para integrar o Scorpions, o que foi recusado prontamente, com Roth preferindo continuar em seu grupo, o Dawn Road. Mas convencido de que Roth era a peça ideal para os Scorpions, Rudolph acaba por se integrar ao Dawn Road, e dá um jeitinho de colocar Klaus Meine como vocalista junto com Roth, e como já tinham um certo nome no mercado alemão, acabam por lançar o próximo disco como Scorpions, mas que ainda apresenta um som regular e uma banda em entrosamento.

Mas tudo mudou em 1975, com o lançamento de seu terceiro disco, o espetacular "In Trance", que se tornou um divisor de águas na carreira do grupo. Sob a batuta de um inspirado Roth, vemos uma banda entrosada e chutando traseiros em um disco que apresenta o melhor do hard n' heavy em todos os sentidos. E sim Rudolph estava absolutamente certo, Roth era o que faltava naquele momento, um guitar hero completo, e que com seus solos complexos, acrescentava e muito ao som da banda. Não a toa até hoje muitos o consideram o músico mais completo de toda a história do grupo.


"Dark Lady" abre o trabalho da melhor maneira possível, uma paulada respeitável e energética, em que Roth brinca de tocar, que faz tudo parecer simples e convida para o que viria mais à frente. E tudo é ainda melhor na linda balada "In Trance", em que Klaus se destaca com seus vocais característicos e cheios de emoção, em um show de interpretação, e com mais um belo trabalho de Roth. E as baladas seriam pontos altos nesse disco, onde "Life's Like a River", "Living And Dying" e "Evening Wind" dão um show de feeling de toda a banda, desde o belo vocal de Meine, as guitarras chorosas de Roth e uma condução bem feita pela cozinha.

"Robot Man" é um belo hard, daqueles empolgantes e acelerados, onde a banda começa a mostrar que realmente dali para frente eles iriam enveredar para uma tendência de um som mais energético. "Longing for Fire" é ainda mais animada e traz uma vaga lembrança do Rush na fase "Fly By Night", com um baixo bem presente e legal de escutar. "Night Lights" fecha o disco com um instrumental para mostrar o quanto à banda estava entrosada naquele momento e que realmente merecia ser considerada a melhor banda da Alemanha naquele momento.

Este belo registro deu uma nova guinada a carreira dos alemães, tanto que no final do ano de 1975 foram recompensados com sua turnê, sendo junto com o KISS as duas bandas que mais arrecadaram naquele ano. Um disco intenso e uma aula de toda a banda, mas que confirma que escutar os discos da fase Uli John Roth é algo de outro mundo.

1.Dark Lady
2.In Trance
3.Life's Like a River
4.Top of the Bill
5.Living & Dying
6.Robot Man
7.Evening Wind
8.Sun in My Hand
9.Longing for Fire
10.Night Lights

Klaus Meine - Vocais
Uli John Roth - Guitarra
Rudolf Schenker - Guitarra rítimca, vocais
Francis Buchholz - Baixo, vocais
Rudy Lenners - Bateria, percussão

LINK NOS COMENTÁRIOS
LINK ON THE COMMENTS



By Weschap Coverdale

16 comentários:

Anônimo disse...

http://www.multiupload.com/STYDBWGXY0

Anônimo disse...

Grande disco!

Alceu disse...

ooo blz pura! scorpions, isso q eh rock! todo mundo no show semana q vem!!!!!!!!!!!!!

Renato Spacek disse...

Excelente disco! In Trance é o melhor do Scorpions na época com o Uli

Tasrael disse...

Por meio da combe ouvi esse disco à dois anos atrás e fiquei impressionado. Realmente acho que a melhor época do Scorpions foi na década de 70 e com o Roth; gostem ou não é o que acho. Obrigado pela primeira postagem.

Anônimo disse...

Animal!

Dragztripztar disse...

Sem dúvida em termos de criatividade a fase-Uli Jon Roth foi disparada a melhor do Scorpions.
E esse disco talvez seja o meu preferido do Scorpions.

dnlz disse...

In trance , é um disco especial , quem sabe , mas talvez a obra prima do Scorpions. Valeu outra vez!!!

Fabio disse...

Olha,é difícil selecionar um álbum como melhor do scorpions.Se alguém diz:"este é o melhor álbum do Scorpions",é porque faltou senso crítico para analisar os demais discos,e não que este citado seja melhor...
Pra ficar mais fácil de entender,vou explicar melhor:se alguém acha que o "In trance" é o melhor disco,esta pessoa não foi perceptiva o bastante para entender os outros discos e acaba tendo essa opinião.No Scorpions,não existe um álbum disparadamente melhor que o outro,o que existe são álbuns diferentes,cada um com um tema,mas o som é sempre característico e único dos Scorpions.Não concordo com a expressão "fase ULI",pois resume o trabalho inteiro da banda a um músico,e isso não é muito correto.O que acontece,é que a atmosfera criada por cada disco,é diferente,é como uma alma,que é a reunião do trabalho de todos os músicos juntos,senão teríamos a fase Matthias,a fase Francis,a fase Powel... E se fôssemos destacar sempre o melhor da banda e dar a ele uma fase,a fase maior seria do começo a o fim da banda e se chamaria "KLAUS MEINE",pois ele é o melhor da banda e do mundo.
Mas resumindo,não há um disco melhor que o outro,há apenas discos diferentes,mas como também existem pessoas diferentes,uns vão gostar mais de um disco que outros,e vice-versa.E quanto a Uli Jon Roth,ele é um gênio,e assim como Matthias,se encaixou perfeitamente em suas participações.O scorpions é a banda completa e perfeita.É como se fosse um quebra-cabeça,as peças se encaixam perfeitamente.O vocal,é algo de outro mundo,indescritível!As composições são a verdadeira transformação do sentimento em música,a bateria marca o tempo de forma a animar e passa um ar de heavy/hard rock... o baixo é algo a destacar,pra provar,escute "Alien nation" e analise-a!E os solos,variam de "Crying days" a "Alien nation",aí cada um escolhe o que achar melhor(difícil hein,eu mesmo não saberia o que escolher).Seja com Uli ou Matthias(que pra mim é melhor,hehe)o Scorpions sempre esteve bem servido.
ROCK AND ROLL FOREVER,AND SCORPIONS,THE BEST BAND,FOREVEEEEEEERRRRRRRRRR!

Dragztripztar disse...

Ora, como é que falta senso crítico e percepção se alguém aponta o In Trance como o melhor? Falou, falou e não entendi o ponto que impede alguém de considerar o In Trance ou algum outro como o melhor.

Isso vai do critério de cada um. Não precisa ser totalmente esclarecido e toda vez falar "o melhor em minha opinião". Se alguém aponta como o melhor é a opinião DELA. A não ser que passe a julgar para menosprezar os outros e apontar como o "melhor definitivo".

As pessoas costumam dividir as fases do Scorpions pelos guitarristas porque eles são determinantes na criação musical, a passagem de cada um representa uma abordagem diferente. Com o Michael era bem Prog e meio psicodélico (depois voltou e fez algo transitório da fase 70’s para a 80’s), com o Uli era um Hard mais "experimental" e com o Matthias é uma fase que ficou marcada pelo lado mais comercial moldado pela época. Cada um imprimiu características que afetaram a sonoridade. Então qual problema de dividir em 3 fases pela passagem de cada um?

Quando troca baixista e baterista raramente ocorrem mudança na sonoridade. A substituição dos baixistas e bateras do Scorpions afetou o som? Não. Então não tem por que dividir fase por baixista/baterista. E as mudanças de guitarristas? É tudo na mesma linha né...

Falta senso crítico e percepção distintiva é pra quem acha tudo perfeito e maravilhoso.

Fabio disse...

Bom,para não dizer "não entendi",vou baixar o nível de complexidade da conversa.
1-A quem acha tudo lindo e maravilhoso,dou os parabéns por ser feliz.
2-Quando algo varia de acordo com o critério de cada um,o correto a dizer antes de citar algo,é:"na minha opinião,...".
3-Não sendo usado o termo "na minha opinião",você transforma o que disse em uma proposição,logo ela pode ser contestada,e eu contestei pois minha OPINIÃO é diferente.
4-HÁ SIM uma diferenciação por fases na carreira do Scorpions,mas ela não é causada por cada guitarrista... cada um tem um estilo diferente de solo;o Matthias tende pro metal,o Uli tende pro neoclássico.Na própria passagem do Matthias,há diferença(Face the Heat é bem diferente de Unbreakable)!Se os guitarristas fossem os determinantes pra diferenciação,como isso poderia ocorrer(já que não houve substituição de algum músico)?!A resposta é que a diferenciação é causada por uma mudança natural de estilo(não brusca),dos principais compositores,Rudolf e Klaus.
5-Tendo em vista que o padrão musical é definido pelos compositores,e não pelos guitarristas solo,apesar de estes influenciarem no produto final,obtém-se que é incorreta a citação "Fase FULANO",sendo que fulano é um guitarrista solo.
6-Quem não vê diferença entre Kottak e Lenners,ou entre Buchholz e Heimberg,não tem lá tantas credenciais pra rebater críticas,mas tem todo o direito.
SCORPIONS FOREVER!A banda que não é perfeita mas ainda assim é a melhor,NA MINHA OPINIÃO.

Fabio disse...

Ah,perdoem-me por ter esquecido de uma coisa...
A parte que teoricamente impede alguém de dizer que um álbum do Scorpions é melhor que o outro,é a que eles são diferentes.Exemplificando:Não se diz que um livro de Física é melhor que um de Matemática,pois estes são diferentes.O que existem são pessoas que preferem Física à Matemática,e dizem que esta é melhor que a outra.As únicas coisas que se pode comparar,são coisas semelhantes.Exemplificando:Entre dois livros de física,um é melhor que o outro.Neste caso,a comparação é permitida por se tratar de algo semelhante.
Mas você observou bem?Teoricamente!
Na prática,já que cada um tem um gosto,cada um diz que o disco que NA SUA OPINIÃO É MELHOR,é o melhor da banda,mesmo estando errada,e o correto seria dizer que o que mais identifica-se com meu gosto é álbum tal.
Mas,o importante é que no final das contas,essa é minha opinião,e tudo é relativo,portando o que eu disse e o que o outro cara disse,estão certos dependendo do ponto de vista de cada um.
E que se foda,tudo é rock and roll do bom!

Silver disse...

Falou, falou e não entendi o ponto que impede alguém de considerar o In Trance ou algum outro como o melhor. [2]

Vai curtir um Rock e relaxar, brother. 90% dos fãs de Scorpions se referem a esse período como "fase Uli" e você sabe disso.

Você só deu um monte de lição de moral sobre "impor opiniões" ao invés de expressar sua opinião de verdade.

Mas continue comentando.
Um abraço!

Dragztripztar disse...

É verdade que Meine e Rudolf são os principais compositores, mas isso foi algo que aconteceu gradualmente, e só se efetivou mesmo a partir do Lovedrive.

Pelo menos, mais de 10 composições dos discos com UJR foram compostas SOMENTE por ele. Sem contar várias outras que ele aparece como co-compositor por ter escrito toda a composição e o Klaus ter colocado só a letra. Então, ainda assim, com essa contribuição não podemos considerar que exista uma "fase UJR"?
Mesmo que a participação do Jabbs nas composições seja praticamente nula (digamos que quase tudo a partir do Lovedrive seja obra de Meine/Rudolf - se bem que os últimos discos saíram mais da cabeça de terceiros do que de qualquer um deles), se não houvesse enorme contribuição de Uli em sua passagem, independente de Jabbs ser ou não um efetivo compositor, não existiria boa fatia do que foi feito entre 73 e 78, concluindo que existe SIM fase Uli Jon Roth.

Acho engraçado que você vem armado de ironias, mas não consegue interpretar simples afirmativas. Eu não disse que todos os discos com Matthias são homogêneos. Apenas falei que a fase com ele foi marcada por aquele som de 80.
Eu também não fiz comparativos entre as habilidades dos bateristas/baixistas, como você insinuou. Falei que a troca dos mesmos não afeta o estilo, pois não contribuem com a CRIAÇÃO musical - com exceção do Rarebell. Característica própria de execução cada um tem a sua, porém não significa que modifique as ideias primas.

Achar que uma cabeça que praticamente não contribuiu, ou mesmo não tem significância ou importância determinante, para o cenário musical seja superior aos outros que configuraram, ao longo de suas carreiras, boa parte daquilo que é referência hoje, não tem lá tanta credenciais pra rebater críticas, mas tem todo o direito.

Felicitações e sinta-se a vontade pra debater dessa forma em qualquer outro post também.

Fabio disse...

Só pra terminar de boa...
Eu não disse que tem alguém superior... e se você estiver falando do Matthias,eu apenas disse que o acho melhor que o Uli(até porque o próprio Matthias foi quem disse que sua participação maior é mesmo nos solos,e sua função é criar um com a mesma atmosfera da música,em uma entrevista ao ScorpionsBrazil.net),quanto aos outros integrantes,não o comparei,até porque são diferentes.Se estiver falando do Klaus,a minha OPINIÃO é que ele é o mais completo e marcante.Bom,quanto à "fase Uli",cada um usa o termo que quiser ao se referir aos anos 70,mas esses 90% aí eu não conheço,acho que só os outros 10%.
E quanto à parte de alguém achar um disco melhor que o outro,cada um tem o direito e pode sim achar o que quiser,mas eu não consigo ver um melhor disparadamente que o outro(talvez porque me falte senso crítico pra analizar).E no final das contas,alguém que acha o "In trance" o melhor disco(mesmo que eu não concorde),merece um parabéns e não uma contradição,pois o disco,obviamente é uma demonstração de genialidade e é uma das 22 melhores obras da banda.Bom,o senso de cada um é diferente,então alguns percebem algumas coisas e outros não,e isso os torna diferentes,e convenhamos que um tentar provar ao outro que está certo,não leva alguém a lugar algum a não ser que se trate de uma ciência exata.Bom,nós fãs do rock and roll somos tão poucos,vamos pelo menos nos unir.
LONG LIVE TO ROCK AND ROLL!

Iaago Van Halen disse...

baixando...