Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Bob Catley - Middle Earth [2001]


Epopéia, aparatos medievais, brado ao heroísmo ancestral. Exclusividades do Heavy Metal? Um dos maiores nomes do Aor/Melodic Rock mostra que não. Foi com esses elementos que Bob Catley, frontman do Magnum, deu início a sua carreira-solo com o debut The Tower. Porém, o fator chave no meio dessa temática foi a efêmera abordagem da obra de Tolkien na música homônima de um clássico do Heavy Metal, "Fear of the Dark". Essa abordagem abriu a possibilidade para a inserção do elemento literário. E dessa forma foi concebido o segundo disco, Legends, baseado em personagens notórios da literatura.

Voltemos um pouco mais no tempo, antes dos discos solos de Catley serem lançados. Chegado a década de 90, o Magnum havia jogado a toalha depois de persistir algum tempo contra os gêneros, conhecidos de todos, que a mídia decidiu apostar. Mas o compositor e guitarrista Tony Clarkin tinha algumas demos e pra não desperdiçá-las, criou o projeto Hard Rain, juntamente com Bob Catley, que decidiu depois de pouco tempo abandonar o barco, pra tentar cravar de vez seu nome na história com uma carreira-solo brilhante.


Catley, que nunca teve a habilidade de compor, depois de quase três décadas transmitindo com sua voz as composições de Clarkin, achou em Gary Hughes (vocalista do Ten) o parceiro ideal. Ainda mais depois de saber que Hughes é um grande fã do Magnum. E isso passa longe de demagogia, pois este conseguiu encarnar o espírito das composições de Clarkin para conceber à carreira-solo de Catley. O próprio admitiu que sua intenção sempre foi criar algo que estivesse entre On A Storyteller's Night e Wings of Heaven e repassar com um conceito ainda mais grandioso, que foi exposto no início deste texto.

O auge desse propósito foi quando a literatura abordada no segundo disco, foi levada à uma única obra: The Lord of the Rings. Com Gary Hughes cuidando dos teclados e todas as composições sendo feitas a partir deste instrumento, a atmosfera majestosa sempre esteve presente. Mas em Middle Earth, isso foi acentuado e Hughes apresentou composições mais versáteis e esplêndidas, dando um aspecto que busca se aproximar da importância da obra inspiradora. A reciprocidade de entrega por parte de Catley também cativa, e sem dúvida, conseguiu realizar um dos melhores trabalhos de sua carreira.



Quem conhece o Magnum, sabe que muita coisa feita por essa banda transcendia rótulos, e o que é feito aqui segue à risca essa proposta. Quando se escuta composições como "The Wraith of the Rings", "The End Of Summer (Galadriel's Theme)" e "Where You Lead I'll Follow" sem saber que os músicos provêm de tal cena, é impossível identificar o estilo adotado, tamanha a originalidade. O grande clima oriental passado em "Against the Wind" é tão instigante quanto os sons que caem direto no Melodic Rock, como "The Fields That I Recall" e "City Walls" - essa última lembra muito Meat Loaf no início de carreira -, que são imersas em melodias tão sofisticadas e magnificentes, que jamais soam como algo pré-estabelecido ou batido - coisas que esse gênero, várias vezes, proporciona.

As composições são completas, sem grande apelo comercial, e a emoção cuida de carregar o trabalho. E o maior exemplo disso está na última faixa, a melancólica "The Fellowship". Bob Catley, um vocalista maduro, experiente e acostumado a lidar com músicas emotivas, simplesmente foi as lágrimas quando Gary o apresentou esta canção. E ainda há espaço para relembrar os grandes momentos do Magnum em "This Gallant Band Of Manic Strangers", na linha da clássica "Just Like An Arrow", mas sem teclados 'saltitantes' e com Vinny Burns (também do Ten) arregaçando nos solos.

Middle Earth é inovador e único dentro dos padrões deste estilo. Sem encheção de linguiça, e com uma sonoridade absolutamente viajante, esse álbum figura num patamar muito acima do esperado no AOR. E o convite para essa viagem não vai ser feito por mim, e sim, pelo próprio Bob: "Just give it a chance. You're gonna' love it, or my name isn't Bob Catley." (se referindo à este álbum em entrevista para a Tolkien Society).

01. The Wraith of the Rings
02. I The Fields That I Recall, II Emisary, III The Fields That I Recall (Reprise)
03. City Walls
04. Against the Wind
05. I Where You Lead I'll Follow, II Stormcrow and Pilgrim, III Where You Lead I'll Follow (Reprise)
06. Return of the Mountain King
07. The End of the Summer (Galadriel's Theme)
08. This Gallant Band Of Manic Strangers
09. The Fellowship

Bob Catley - vocals
Vinny Burns - guitar
Steve McKenna - bass
Jon Cooksey - drums
Gary Hughes - keyboards/backing vocals

Tracy Hitchings - additional vocals on "Against the Wind"

(Links nos comentários - links on the comments)

Dragztripztar

É ou não é um Hobbit?

10 comentários:

Anônimo disse...

http://www.mediafire.com/?6ymr72f26ymmoim

jullecosta disse...

caramba meu, muito massa, vocal perfeito, cozinha bem entrosada,melhor novidade do ano pra mim,valeu galera do combe....

Anônimo disse...

Este é um grande vocalista! Todos deveriam conhecer com mais detalhes.

Músico Amador disse...

PUTZ !! EXCELENTE !! O CARA TEM MUITO BOM GOSTO !! VALEU GALERA !!!!!

Dragztripztar disse...

jullecosta, realmente, a cozinha deste álbum é muito trampada e destacadíssima.

E como o anônimo disse aí, mais pessoas deveriam se aprofundar na carreira desse vocalista. Nos últimos dias, eu só to ouvindo discos gravados pelo Bob Catley. Essa carreira-solo dele é a coisa mais original que existe no AOR. É muito épico, não existe nada parecido. Nos discos anteriores a esse do post, as músicas seguiam uma estrututura básica de composição e os refrãos eram repetidos exaustivamente, ou seja, o som era mais AOR, mas mesmo assim, nunca soa forçado. Tinha um certo apelo comercial e era mais acessível, embora se mantivesse longe de uma sonoridade saturada. A faixa-título do debut, a citada Fear of the Dark, Madrigal, Hydra e A Beautiful Night for Love, que fazem parte dos dois discos anteriores ao Middle Earth, são obras-primas do estilo. Nem diria do AOR, pq é muito único, mas enfim...

Depois do Middle Earth, o Gary Hughes saiu, e os discos seguintes passaram a apresentar um Melodic Rock razoável. O Middle, sem dúvida, é o melhor, e o meu disco preferido de todos que o Catley gravou em sua carreira. Mas fica a dica pra buscarem conhecer melhor a carreira deste cara.

Gus disse...

baixando pra conferir!! valeu

\m/

caue disse...

2 coisas q curto demais:
AOR e LOTR

Tenho q baixar pra conferir.

E parabéns ao Dragz, sempre postando bons álbuns sem se prender a um estilo só.

vlw

caue disse...

Complementando depois de ouvir.

Realmente sensacional. O melhor disco que baixei no ano. Não esperava tanto, ainda mais por ser conceitual. Ouvi e tive que por pra repetir. Ainda mais a faixa Return of the mountain king.

Mais uma bela postagem, thanks!

Anônimo disse...

Thanks mate! Nice sound

Icelo disse...

Conheci o Catley pela participação dele no Avantasia, aproveitando agora pra conhecer melhor a carreira solo dele.