Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

The Brian May Band - Live at the Brixton Academy [1994]


Como supercar uma tragédia pessoal? Fazer aquilo que mais gosta sempre é uma boa saída. Pensando assim, Brian May não perdeu tempo. Após a morte de Freddie Mercury, resolveu ocupar a cabeça lançando um disco. Assim foi concebido o ótimo Back to the Light, com a participação de vários amigos. Mas não bastava, era preciso sair em turnê. Para isso, a lenda viva reuniu nomes de peso, entre eles Neil Murray e Cozy Powell, a cozinha do Black Sabbath na era Headless Cross/TYR, dispensada por Tony Iommi para a volta do line-up da era Heaven and Hell, que registrou Dehumanizer. Outro escalado foi Spike Edney, o tecladista membro honorário do Queen.

Com um time desses, é claro que não tinha como algo dar errado. Ainda mais apresentando um setlist que mesclava as faixas de seu bom trabalho a hinos históricos que a platéia presente na Brixton Academy, em Londres, no dia 15 de Junho de 1993. sabia de cor e salteado. Não há rigorosamente nenhum ponto fraco, mas não tem como não sentir aquele nó apertando a garganta quando Brian diz: “we’ll do this for Freddie”, antes de “Love of my Life”, que o público acompanha palavra por palavra, como de costume. Ainda no aspecto emoção, “Too Much Love Will Kill You” deixa uma mensagem e tanto aos corações desesperados e, muitas vezes, inconseqüentes.


Mas é claro que o mote principal é o Rock pesado dos bons, guiados pelo inconfundível timbre de guitarra da estrela principal do espetáculo. E sons como a faixa-título do disco em divulgação, a agitada “Driven By You”, “Love Token” e “Resurrection” juntam-se aos clássicos para garantir que todos empunharão a air-guitar e mandarão ver enquanto vibram com o que sai das caixas de som/fones de ouvido. Rola até uma versão para “Since You’ve Been Gone”, de Russ Ballard, imortalizada pelo Rainbow – com Cozy na bateria, é claro. Mas o bicho pega para valer nas sempre indefectíveis “Tie Your Mother Down”, “Headlong” (que não chegou a ser tocada ao vivo pelo Queen) e a saideira com “Hammer to Fall”.



Essa tour passou pelo Brasil, com direito ao show do Rio ser filmado pela saudosa Rede Manchete. Inclusive ele chegou a ser exibido na transição do canal para a Rede TV, quando não havia grade de programação definida. Uma pena que não tinha aviso prévio de veiculação, então acabei pegando pela metade e sem chance de gravar para a posteridade. A conclusão que se pode chegar é que, a despeito da química que fez do Queen uma das maiores bandas de todos os tempos, Brian May também possui grande poder de fogo quando consegue juntar outros músicos do mais alto calibre e fazer o serviço à sua maneira.

Brian May (vocals, guitars)
Neil Murray (bass)
Cozy Powell (drums)
Spike Edney (keyboards)
Jamie Moses (guitars)
Cathy Porter (backing vocals)
Shelley Preston (backing vocals)

01. Back To The Light
02. Driven by You
03. Tie Your Mother Down
04. Love Token
05. Headlong
06. Love of My Life
07. '39/Let Your Heart Rule Your Head
08. Too Much Love Will Kill You
09. Since You've Been Gone
10. Now I'm Here
11. Guitar Extravagance
12. Resurrection
13. Last Horizon
14. We Will Rock You
15. Hammer to Fall

Link nos comentários
Link on the comments


JAY

6 comentários:

Anônimo disse...

Brian May – Live at Brixton Academy [1994]

106 MB
192 kbps

http://www.mediafire.com/?i1yoc003021hwol

gui disse...

puta som. valeu!!!

Petrick disse...

Brian é uma pessoa maravilhosa, alem de ótimo musico.
Parabens mais uma vez à pessoal da Combe!!!

JORJAOFONSECA disse...

Sonzeira de primeira qualidade!!!

Lyn disse...

Brian May é O CARA...

Um dos meus guitarristas favoritos!

Tremendo post. Parabéns!

Toledinho disse...

Vale conferir o Brian May + Friends: Starfleet Project - Em "Blues Braker" Brian May e Eddie Van Halen improvisam por mais de 10 minutos. Não é nenhuma obra prima para puristas do Blues, mas é muito legal porque pelo som da guitarra e estilo dá pra saber exatamente quem está tocando. Eddie faz tapping no Blues...