Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Death - Symbolic [1995]



Penso que, em se tratando de Death, apresentações são totalmente desnecessárias. Uma das mais renomadas bandas do Death Metal, que revolucionou o jeito de fazer Música Extrema (isso por conta do clássico Scream Bloody Gore, de 1987): da forma mais brutal o possível. Depois, surgiriam outros subgêneros, mas poucos conseguiram igualar-se à violência do tipo de música praticamente criado por Chuck Schuldiner (R.I.P).

A década de 90 chegou, e àquela altura o Death já era um veterano. Haviam se passado muitos anos desde sua formação, que ocorreu no início dos anos 80, e muitas trocas na formação aconteceram também, mas tendo sempre Schuldiner como centro. Para quem achou que a banda estava desgastada devido a isso, veio o clássico Symbolic em 1995, mostrando uma banda tão violenta como antes.

Mas nem tudo é igual por aqui, vale ressaltar. A pegada e a brutalidade estão intactas, a habilidade dos músicos ainda é inquestionável, mas há características mais modernas em diversas faixas. As composições ficaram mais cadenciadas e a técnica foi elevada ao máximo, criando um dos marcos mais importantes do Metal Extremo.




Symbolic é considerado por muitos como um dos melhores discos da Música Pesada, e não é pra menos. Para quem já está acostumado com o som do Death, essa é uma obra de sua discografia que não deve ser ignorado. A técnica refinada e as mudanças rítmicas muito bem encaixadas são duas das características mais notáveis do play, demonstrando o talento dessa formação.

A faixa-título abre os trabalhos com um riff quase apocalíptico, andamento cadenciado e os tradicionais guturais de Schuldiner. "Zero Tolerance" apresenta guitarras um pouco mais melódicas, por vezes lembrando o Metal Progressivo. "Empty Words" tem introdução tranquila para segundos depois descambar em um Death Metal transpirando fúria e criatividade. As guitarras de Bobby Koelble e Chuck Schuldiner se combinam de forma magnífica, criando um trabalho que dificilmente será superado. "Sacred Serenity" tem um solo belíssimo, e abre alas para a acelerada "1,000 Eyes", onde Gene Hoglan abusa dos pedais duplos.



"Without Judgement" tem um riff maravilhoso; e dá-lhe Gene Hoglan! O desempenho do cara por aqui é coisa de outro mundo e a combinação de todos os instrumentistas imprime ao disco uma qualidade monstra. "Misanthrope" acabará com os ouvidos dos mais desavisados e o encerramento com a épica "Perennial Quest" agradará os que gostam de boas doses de técnica.

Só uma palavra define tudo o que eu disse até aqui: CLÁSSICO, simplesmente. Obrigatório na prateleira, seja ela digital ou física, de qualquer headbanger que se preze.


Chuck Schuldiner - guitarras, vocais
Kelly Conlon - baixo
Bobby Koelble - guitarra
Gene Hoglan - bateria

1. Symbolic
2. Zero Tolerance
3. Empty Words
4. Sacred Serenity
5. 1,000 Eyes
6. Without Judgement
7. Crystal Mountain
8. Misanthrope
9. Perennial Quest

Link nos comentários!
Link on the comments!

Por Gabriel


8 comentários:

Anônimo disse...

http://www.multiupload.com/FTRBD7J2A3

Nei disse...

O que dizer além de "Obrigado pela postagem??"

Victor Nazário disse...

Como disse o amigo acima: " O que dizer além de: " Death é Phodda !!!!

Anônimo disse...

Grande post!
Valeu!

Anônimo disse...

Gene Hoglan. Só por causa desse cara é que estou passando por aqui para agradecer a resenha e essa ótima dica de um fim de semana repleto de energia e fúria.
É claro que Chuck merece um "alô, você!" pelo conjunto da obra!

Greetings!
Long Live Rock'n'Roll!

Fabio disse...

Respect!

M disse...

Qualquer disco do Death é diversão garantida.

Artur Fox disse...

Alem de uma instrumental fodida no álbum inteiro, você tem q ver as letras...Uma mais filosófica e doida q a outra...