Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

sábado, 29 de janeiro de 2011

GPS - Window to the Soul [2006]


Quando Geoff Downes cometeu a "delicadeza" de decretar a paralisação do Asia no ano de 2005, em pleno processo de composição avançado, para convocar a formação antiga e comemorar os 25 anos do grupo, toda a cena AOR ficou estarrecida, pois esperavam ansiosamente o disco que estava sendo composto e já havia sido anunciado até o título. O que as pessoas não esperavam era o que iria se originar dessa dissolução.

Enquanto o Asia clássico se reunia naquela vibe de músicos que tocaram juntos há 20 anos, não se suportam, mas se reúnem pra poderem pagar os geriatras e as pensões das crianças, os outros músicos dispensados elevavam as idéias do que vinha sendo trabalhado no Asia sob outra perspectiva. Uma ambição determinada levou os três ex-membros (Govan, Payne e Schellen) a criar um grupo expandindo ao máximo o conceito do Asia.

Essa idéia acarretou na mistura das melodias sofisticadas e aprazíveis do AOR a arranjos tipicamente progressivos, resultando em algo singular. Pra quem conhece o Asia, diria que Window to the Soul é a mistura daquele clima de beleza e amargura dos discos Aura e Silent Nation intercalada por explosivas demonstrações de musicalidade e intensas viagens instrumentais. Tanto que, se as estruturas das músicas fossem redefinidas para algo mais simplista, isso aqui seria um disco de AOR.


Logo na faixa-título que abre o disco somos surpreendidos pela potência vocal de John Payne, que impressiona por estar em constante evolução desde que surgiu na cena no final dos anos 80. E outro momento matador é a parte do solo; 3 minutos (duração dos solos em metade das músicas) de piração indo do Heavy Metal com pedal duplo comendo solto até quebradeiras Prog. Cortesias dos doentios Guthrie Govan e o tecladista japa Ryo Okumoto - que entrou de última hora na banda e fica difícil de acreditar, pois não dá pra imaginar as músicas sem suas partes.

A emotividade muito forte tendendo para o lado triste somada as vocalizações arrastadas dita o tom de todas as músicas. Mas a genialidade que acompanha os músicos envolvidos culminam em idéias primorosas que torna tudo muito ameno. Guthrie Govan, um dos melhores guitarristas da atualidade e que era extremamente limitado no Asia, aqui demonstra todo seu potencial; Ryo Okomuto faz alguns dos melhores solos voltados ao Rock Progressivo que já ouvi e se utiliza dos mais variados recursos de teclas - piano, hammond, mellotron, etc; também digo sem medo de errar que esse é o trabalho que Jay Schellen mais arrebenta; e John Payne como vocalista está mais dramático, e suas linhas de baixo revelam um músico extraordinário.



Francamente, não imaginava poder escutar músicas como "New Jerusalem" e "Written on the Wind" no momento atual da música. Por mais que sejam feitos muitos trabalhos bons atualmente, essas músicas remetem à genialidade dos anos 70. Absolutamente tudo feito à perfeição e com concessões experimentais que passam longe de algo nonsense. E só de pensar que "Written on the Wind" foi escrita pro Asia e se saísse por esse grupo, sem dúvidas, seria mutilada pela metade. Assim como outras que foram reaproveitadas do Asia para este trabalho. Não me prolongarei mais quanto à qualidade individual das músicas, apenas digo que, pelos motivos já citados, Window to the Soul é um dos melhores discos dos anos 2000 e o projeto GPS é o que há de mais original provindo do AOR - junto com os primeiros trabalhos solos de Bob Catley.

Geoff Downes deu um pé na bunda, mas o próprio foi quem sentiu a dor. Ou seja, Sr. Downes fez um grande favor ao dispensar estes músicos que puderam ter a liberdade necessária para trabalhar suas composições sem qualquer exigência de mercado. E que fique claro que essas características do grupo não determinam superioridade, apenas um ponto de vista, até porque, pra mim, este disco não supera o Aqua do Asia, mas coloca o restante da discografia dessa banda no bolso. Comercial? Óbvio que sim. Para as massas? Claro que não.

01-Window to the Soul
02-New Jerusalem
03-Heaven Can Wait
04-Written on the Wind
05-I Believe in Yesterday
06-The Objector
07-All My Life
08-Gold
09-Since You've Been Gone
10-Taken Dreams

John Payne - vocal/bass
Guthrie Govan - guitar
Jay Schellen - drums
Ryo Okumoto - keyboards

(Links nos comentários - links on the comments)

Dragztripztar

12 comentários:

Anônimo disse...

http://www.mediafire.com/?oo3u76ubm8ofx5y

Ricardo Brovin disse...

Pérola...parabéns pelo post!!!vlw

Anônimo disse...

a combe sempre detonando

phdesenhista disse...

Muito bom! Só músicos de alto nível e composições inspiradas.
Além da ótima resenha.

Joe disse...

Cara, que banda animal! Não acredito que nunca tinha ouvido antes! Som maduro e de qualidade! Valew por compartilhar! Abraços!

Anônimo disse...

Opa, já baixei e estou conferindo ... excelente disco, este vai pra estante!
Valeu

Daniel disse...

Não conhecia o som do GPS, na verdade só baixei o álbum por causa do Guthrie Govan, que eu já conhecia atraves do álbum que ele lançou em 2006.

Valeu pela postagem.

Abraço

Thiago disse...

Agradeço a Combe pela graça alcançada.

Anônimo disse...

ótimo post, govan toca absurdos, post bom demais mesmo

Anônimo disse...

Killer album, matador mesmo! Written on the wind... é clássico(não sei pq, mas pensei em john Lawton...), coisa linda de viver, solo de guitar cheio de emoção.Ssem dúvidas, um discaço!!

Gus disse...

só aqui na Combe pra eu descobrir essas pérolas!! baixando, valeu!

\m/

Prof. Aerton disse...

Gostei bastante. Não sei se notaram mas achei Written on the wind bem parecida com uma música do Rainbow (Não lembro qua) na era Dio.