Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Scorpions - Tokyo Tapes [1978]


O Rock da década de 1970 é bem diferente daquele praticado em sua década seguinte. Muitos, por exemplo, só conhecem o Scorpions de "Rock You Like A Hurricane", "Wind Of Change" e "Still Loving You" e são esses que irão se impressionar ao ouvir um registro como "Tokyo Tapes".

Desde seu surgimento, o Scorpions demonstrava influências do psicodelismo sessentista, intensificado pela ativa presença do guitarrista (e gênio) Ulrich Roth - posteriormente conhecido como Uli Jon Roth. Mas a partir de "Virgin Killer", lançado em 1976, a sonoridade do conjunto se tornou mais acessível, logo, menos mística, descontentando Ulrich. O sucessor "Taken By Force", de 1978, seguiu a linha de mudanças e o guitarrista permaneceu insatisfeito. As modificações, por outro lado, foram necessárias, já que o mercado da música estava mudando. As bandas de Rock que se reinventavam, continuavam no jogo, porque o mainstream estava dominado pelo Punk, pelo New Wave e pelo NWOBHM.

Nada disso evitou que "Tokyo Tapes" fosse o último registro do Scorpions com Roth, que pulou fora para investir em sua carreira solo. O registro foi gravado nos dias 24 e 27 de abril de 1978, no Sun Plaza Hall de Tóquio, Japão. O quinteto apostou em uma turnê de uma semana para divulgar o recém-lançado "Taken By Force" nas terras nipônicas e se surpreendeu com a quantidade de fãs que tinham por lá. Afinal, diferente do Brasil, os japoneses sabem apreciar boa música em massa, independente de modas, e lotam estádios com shows de Rock que aqui não lotam um boteco.


"Brasileiridades" a parte, é fato que "Tokyo Tapes" é um registro fantástico. A sonoridade aqui obtida é incrível. Sem exageros, trata-se de um dos melhores discos ao vivo do Rock. O grande desafio de um produtor de um "live" é conseguir captar a energia da banda no palco, e não são muitos do gênero que conseguem esse resultado como Dieter Dierks conseguiu. Além de ser Rock de verdade e sem frescuras do início ao fim (a capa diz tudo), é possível se sentir na plateia com o uso de bons headphones - quem disse que máquina do tempo não existe? (risos)

O Scorpions ainda não se assemelhava com o que se tornou mundialmente famoso no futuro, mas quem gosta dos posteriores trabalhos, definitivamente não se decepcionará com "Tokyo Tapes". Klaus Meine, endiabrado, demonstra fôlego do início ao fim, com carisma, potência e o mais importante: identidade. Rudolf Schenker faz a diferença com bases bem trabalhadas e bem executadas nas seis cordas, enquanto que o baixista Francis Buchholz mostra-se coeso e entrosado e o novo baterista, Herman Rarebell, se destaca pela precisão e bom uso de suas baquetas.

Mas não tem jeito. É impossível negar que o destaque de todo o concerto é Ulrich Roth, e mesmo sendo substituído pelo grande Matthias Jabs, o esquisito guitarrista faz falta. Sua habilidade é soberba e sua criatividade é incomparável. Sabe escolher as notas certas, nas horas certas. Uma pena que seja meio pirado: relatou que o som de sua guitarra não estava alto o suficiente por aqui. Basta ouvir e compreender o porquê de "pirado".



Entre os destaques, tem-se a paulada de abertura (e inédita) "All Night Long", as potentes "Backstage Queen" e "Speedy's Coming", a divertida "He's A Man, She's A Woman", a meio-tensa "Steamrock Fever" e a épica "We'll Burn The Sky" - esta, capaz de arrancar lágrimas pela invejável performance de Klaus e Ulrich. Só uma palavra pode concluir esse texto: clássico!!!

01. All Night Long
02. Pictured Life
03. Backstage Queen
04. Polar Nights
05. In Trance
06. We’ll Burn The Sky
07. Suspender Love
08. In Search Of The Peace Of Mind
09. Fly To The Rainbow
10. He’s A Woman, She's A Man
11. Speedy’s Coming
12. Top Of The Bill
13. Hound Dog
14. Long Tall Sally
15. Steamrock Fever
16. Dark Lady
17. (Kojo No Tsuki)
18. Robot Man

Klaus Meine - vocal
Ulrich Roth - guitarra solo; backing vocals; vocal em 4, 9 e 16
Rudolf Schenker - guitarra base, backing vocals
Francis Buchholz - baixo, backing vocals
Herman Rarebell - bateria

(Links nos comentários - links on the comments)

by Silver

15 comentários:

Anônimo disse...

Tokyo Tapes [1978]

Link:
http://bit.ly/dKYhQs

Dragztripztar disse...

Olha, eu sempre menosprezei o Matthias por não possuir um pingo da criatividade do ex guitarristas do Scorpions. Mas, com o tempo pude notar que sem ele o Scorpions não cresceria tanto e sequer teria 1/3 da popularidade que tem, pois Uli Jon Roth jamais limitaria sua genialidade pra compor apenas 'rock anthems', e o Michael necessita ficar sempre no centro das atenções.
No entanto, devo admitir que o Matthias só calou minha boca de vez no dia 24 de Setembro, quando eu pude presenciar um dos espetáculos mais arrepiantes que uma banda pode proporcionar. Parecia surreal, pois até o Pawel tava agitando MUITO, hehehehe...

Post foda, Sílvio.

Dragztripztar disse...

Ah, e esse é o melhor ao-vivo do Scorpions.

Jay disse...

Está no meu TOP 5 de discos ao vivo de todos os tempos. Tenho meu vinil muito bem guardado. Simplesmente amo esse álbum!!!

romulo disse...

linda resenha!
lindo, esse disco é o disco!
uhauahuahuahu

maravilhoso

Anônimo disse...

o silver eh um lindo, como esse disco kkk

GrassHoper disse...

Clássico!
Preciso dizer algo mais??

Anônimo disse...

Este juntamente com o ALIVE do SLADE é um dos que melhores ao vivo, captam a energia do publico.............grandes musicas, grandes musicos e ainda grandes rocks.............

GrassHoper disse...

Ah, e vi agora a nova enquete! Êta dúvida da peste!!! Pelo menos cinco desse álbuns estão se acotovelando no topo da minha preferência... pra não ser injusto ou eu não voto em nenhum ou tiro no sorteio, hehe!

GrassHoper disse...

Ainda sobre a enquete: não tem como opção o 'The Final Frontier'!! o.O

Tudo bem, um a menos concorrendo aqui na minha escolha pessoal, rsrs!

Silver disse...

Putz... eu coloquei na lista, até tinha comentado que eu e o Jay havíamos esquecido. Mas coloquei na lista, só esqueci de inserir na enquete.

Lá vou eu reconstruir... XD

Weschap Coverdale disse...

ESSE É UM POST MAIS QUE OBRIGATÓRIO DE TER! DISCASSO ESSENCIAL E IMPERDÍVEL!

caue disse...

Esse disco me bate uma nostalgia.
Foi um dos primeiros, quiçá o primeiro vinil de Rock q ouvi.
Me foi emprestado pelo pai de uma amiga minha, e veio junto com outras pérolas =VH=, KISS e Quiet Riot, só pra iniciar.
E apesar de eu achar a platéia nipônica meio distante e fria, o Scorpions em palco resolve tudo.
Emocionante e empolgante.
Mais um gol de placa da Combe!

dnlz disse...

Esse album , é maravilhoso ,assim como o Unleashed the east do Judas , os dois ao vivos que eu mais gosto , mas esse é maior então, esse é fodão!!!

Cristian disse...

Albúm clássico, principalmente por talvez ser a melhor performance ao vivo do Scorpions devido ao mestre Uli John Roth.