Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Fight - War Of Words [1993]


Em 1992, depois do lançamento e promoção do excepcional "Painkiller", Rob Halford pulou fora do Judas Priest a fim de chutar o pau da barraca. E o Fight parece representar exatamente isso. Com um time de instrumentistas relativamente jovens (entre eles o baterista de sua então ex-banda, Scott Travis), o quarteto vinha com a proposta de um Metal puxado mais para o lado Thrash e Groove da coisa. O resultado não poderia ser melhor.

É importante dizer que o registro vocal de Halford dá lugar a algo diferente dos tradicionais agudos na grande maioria dos momentos, portanto, não espere por algo semelhante ao Priest, já que a veia Thrash é que comanda por aqui. Resumindo a bagaça, o Fight praticava um som aos moldes de bandas como Pantera.

"War Of Words", a estreia do quinteto, foi um tiro certeiro, conquistando uma satisfatória posição nas paradas. Com uma receita potente, o grupo mostrou grande potencial e poder de fogo. Sonzeira.
A abertura Into The Pit pode resumir muito bem a bolacha inteira: entrosamento, coesão e refrões fortes.



Outro aspecto interessante é o conteúdo lírico das composições, por vezes abordando a ambição humana, a censura e a destruição. No mais, um discão que agradará os admiradores da porradaria sonora. Destaques com a já citada Into The Pit, a faixa-título, a potente Nailed To The Gun, o single Little Crazy, a direta Contortion, a cadenciada Life In Black e a balada For All Eternity.



Rob Halford - vocais
Jack "Jay Jay" Brown - baixo, backing vocals
Brian Tilse - guitarras, backing vocals
Russ Parrish - guitarras, backing vocals
Scott Travis - bateria

01. Into The Pit
02. Nailed To The Gun
03. Life In Black
04. Immortal Sin
05. War Of Words
06. Laid To Rest
07. For All Eternity
08. Little Crazy
09. Contortion
10. Kill It
11. Vicious
12. Reality (A New Beginning)

Por Gabriel

(Link nos comentários - link on the comments)

11 comentários:

Anônimo disse...

http://www.multiupload.com/560WDXX6O2

Jay disse...

Um dos melhores álbuns da década de 1990. Apesar da cagada do Two, considero que o Halford sozinho foi muito mais produtivo que o Priest com o Ripper - embora goste do Jugulator e dos álbuns ao vivo.

Anônimo disse...

Podem falar mal do Halford por n motivos, só não podem chamá-lo de uma coisa: covarde.

Abraços e bom post.

Ito disse...

Verdade, eu posso não gostar de V.. mas o fato de cagar pra dentro um linguiça q pode ter até uns 20 cm é coisa pra macno!!! kkkkkkkk.

Anônimo disse...

E vamos relevar, que Jugulator é maior babação de ovo disso aí e de Machine Head.

dnlz disse...

Melhor que esse album só o jogo dos Steelers X Browns que vai começar agora na NFL. Ahhh o Rob é gay, e ai? Cada um na sua.
STEELERS é metal!!!!!E esse post cai bem de trilha sonora. Valeu!

Anônimo disse...

Esse é o melhor disco do Rob Halford depois de sua história no JUDAS PRIEST até 'Painkiller'.
Nem sua banda solo HALFORD conseguiu a proeza de realizar um legítimo som pesado e convincente como encontrado neste ótimo 'War Of Words'.
É com certeza seu melhor trabalho como vocalista e letrista, além de compositor. Há variações vocais perfeitas e até inexploradas em sua banda principal. Não há uma só música que não contenha todos os mais potentes elementos do Heavy Metal, mesclando Thrash e até ousando corajosamente com 'Little Crazy' na seara do Hard Rock classudo com a guitarra marcante de Russ Parish. A banda toda é muito boa, uma pena que não realizaram um segundo álbum tão bom quanto esse, apesar que gosto de várias coisas do 'Small Deadly Space', que tem uma sonoridade alternativa e com algumas pitadas de rock clássico setentista.
O álbum/EP 'Mutations' é um trabalho de transição, onde é possível compreender a tentação de ingresso no meio eletrônico que resultou no projeto TWO, que não considero ruim, pelo contrário, é um trabalho muito diferente e atípico de um artista capaz de surpreender.
Pena que ao voltar ao Judas Priest, seus registros vocais sejam apenas bons, comparado ao que fez neste 'WOW'. Álbuns como 'Angel Of Retribution' e 'Nostradamus' são bons álbuns, gosto de ambos, mas parece que falta a garra e a vontade de extrapolar os limites do som como Halford fez no FIGHT.
Enfim, vale sempre a pena ouvir esse CD (é o segundo que tenho, o primeiro exemplar que comprei foi em 1993 mesmo).

E como a deusa DORO disse, Ronnie James Dio e Rob Halford são os maiores vocalistas de Heavy Metal do universo.

Long Live Rock'n'Roll!

Ito disse...

Nada d+ o cara ser V..., na verdade só estava concordando com o comentário do amigo anônimo d cima, aliás já até baixei o arquivo o qual é muito bom!!! O cara apesar de Boi.... é muito foda no que faz.

Feliz Natal e um 2012 repleto de rock na veia para todos.

foralula disse...

gostei do Nailed to the Gun. sou mais pro hard rock do que pro heavy metal, então Judas (e consequentemente o Fight) nunca esteve na minha discoteca básica. mas achei legal.

mas com certeza o Rob Halford está bem melhor em Nailed to the Gun do que, por exemplo, em Metal Gods ao vivo (depois do retorno ao Judas).

nessa, o Owens simplesmente estraçalha.

Anônimo disse...

CARALHO MEU... FAZIA TEMPO QUE NAO CURTIA UM METAL ASSIM FUDIDAÇOOO BAIXEM VCS NAO IRAM SE ARREPENDER ROB HALFORD E FODA, INDEPENDENTE DE SUA OPÇAO SEXUAL, QUE SE FODA ...

rafahell disse...

apos o furia mtv finalmente encontrei esse album.