Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Billy Squier - Hear And Now [1989]



Um disco que não poderia deixar de compartilhar com vocês passageiros da Combe. É assim que defino esta pequena pérola que estou postando nesse momento. Apesar de muitos assim como eu conhecerem apenas a clássica "The Stroke", que é o maior sucesso da carreira de Billy Squier, digo que fui pego de surpresa assim que coloquei esse disco para rodar hoje na parte da manhã, na tranquilidade do meu lar. Um AOR bem feito, e alguns hards com uma pegada maravilhosa, daquela que a maioria que acompanha o blog certamente curte.

Billy Squier inicia sua carreira nos anos 70, onde primeiramente aparece na banda "Magic Terry & The Universe", que tinha em seu line-up Klaus Flouride, que ficaria conhecido ao integrar o Dead Kennedys. Mas ele deixa o grupo para formar o Piper, que era gerida pelos mesmos managers do Kiss, e que teve em sua formação durante algum período Bruce Kulick como guitarrista. Mas sua carreira só decolou quando ele entra em uma carreira solo e com seu segundo disco, produzido por Brian May e que tinha a já citada "The Stroke". Após mais três discos com grande sucesso, eis que ele entra em declínio e no final da década de 80, os discos "Enough is Enough” e “Hear & Now" alcançam apenas 300.000 cópias vendidas cada um.

Mas apesar da baixa vendagem, inspiração e qualidade é o que não faltam por aqui. Canções que grudam como chiclete, refrães memoráveis, baladas maravilhosas e um belo trabalho da banda que o acompanha nas gravações do disco nos entregam uma pepita com uma magia indescritível, e trazem momentos que lhe remeterão diretamente ao túnel do tempo, com aquela sensação de que você já ouviu isso antes. Sem falar nos músicos que o acompanharam nessa empreitada, como o grande baterista Anton Fig e a dupla Bobby Chouinard e John McCurry que na mesma época estavam também participando das gravações do memorável "Trash" do Alice Cooper.



"Rock Out/Punch Somebody" inicia o disco com um hardão cadenciado, com um belo trabalho de bateria de Chouinard, que lhe fará lembrar o que Eric Carr faz em "Love It Loud". "Stronger", com certeza arrancará suspiros de muitos aqui, com seu jeitão de filme "sessão da tarde". Um baita de um AOR gostoso de escutar e bem agradável, com uma melodia assoviável e pegajosa. "Don't Say You Love Me" foi o maior sucesso desse disco, e conseguiu um respeitável quarto lugar na Billboard's Mainstream Rock Tracks e evoca os hards com uma pegada sacana, que estavam em alta naquele momento. "(I Put A) Spell On You" é outro hard grudento, que pode muito bem colocar uma arena abaixo e mostra uma banda afiada.

As baladas desse disco são coisa de outro mundo e mantém a qualidade do mesmo lá em cima. A linda "Don't Let Me Go" é de extremo bom gosto e tem um baita potencial radiofônico, uma composição de excelente qualidade, em que Squier a interpreta de maneira estupenda, no que talvez seja seu melhor momento em todo esse registro. "Mine Tonite" também é estupenda, uma power ballad de encher os olhos. E "Your Love Is My Life" fecha esse disco com mais uma belíssima canção, e que poderia facilmente entrar em qualquer trilha sonora de novela feita por aqui no fim dos anos 80, cheia de emoção e feeling, com um coro no refrão que a deixa ainda mais bonita.

Um disco do qual não esperava nada, mas que no fim me deixou surpreso, pois realmente é excelente. Quem é chegado em um AOR bem feito, com certeza se impressionará em como não conhecia essa pequena pérola. Discasso!




1.Rock Out/Punch Somebody
2.Stronger
3.Don't Say You Love Me
4.Don't Let Me Go
5.Tied Up
6.(I Put a) Spell on You
7.G.O.D.
8.Mine Tonight
9.The Work Song
10.Your Love Is My Life

Billy Squier - Vocais, Guitarras, Violões

Jeff Golub, John McCurry - Guitarras
Mark Clarke - Baixo
Alan St. Jon - Teclados
Anton Fig, Bobby Chouinard - Bateria
Mark Willians - Saxofone
Eric Weisberg - Bandolim



By Weschap Coverdale

3 comentários:

Anônimo disse...

http://www.mediafire.com/?6p1lnbh7chzbwmc

Ricardo Brovin disse...

Belo post!!!!Parabéns qualidade é regra no combe!!!!Blog mais Foda do país...vcs são "os caras
"...

Anônimo disse...

Squier? Grande disco!! Sem falar no Chouinard!!