Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Cinderella - Still Climbing [1994]



A grande maioria dos leitores do blog sabe muito bem que no início dos anos 90, após a explosão do grunge, um dos grandes objetivos da mídia da época foi detonar o hard e jogar para escanteio a grande maioria dos grupos desse estilo. Com isso muitas bandas promissoras e realmente boas não tiveram a atenção merecida, e acabaram por entrar em um ostracismo muitas vezes injusto, comparado a alguns grupos que todos dignificavam nesse momento.

Mas não só as novas bandas que sofreram com isso. Até medalhões do estilo sofreram um boicote. E um dos casos mais notáveis talvez seja o que aconteceu com o Cinderella. Após lançarem os sensacionais "Long Cold Winter" e "Heartbreak Station", a banda passa por dois problemas. Um deles foi a saída do baterista Fred Coury. O outro e mais grave ocorreu com Tom Keifer, que em um belo dia entra no estúdio e percebe que não podia mais cantar. Após muitos exames, os médicos não conseguiam descobrir o motivo dessa perda repentina da voz. Mas Keifer acaba por encontrar especialista que lhe explicou que isso ocorreu devido a paralisia de um nervo que controla sua corda vocal esquerda.

Após algumas delicadas cirurgias para corrigir essa anomalia, Keifer ainda teve de "reaprender" a cantar, tamanho o impacto que este problema infligiu em suas cordas vocais. Junte a isso mais um drama pessoal, que foi a perca de sua mãe nesse processo. Todos esses acontecimentos acabaram por permear a temática do disco, em algumas vezes densa e triste, mas que no final passa uma mensagem de esperança, assim como o título e a própria capa sugerem. Mas como já citado, esse não era o foco da mídia da época, a divulgação foi quase nula, e a venda bem tímida comparado a tudo o que a banda já havia vendido, o que resultou na expulsão do grupo por parte da gravadora.



Mas nem por isso o disco é ruim, longe disso. Ainda temos aquela influência country que permeia seus antecessores, porém em grau mais moderado do que os já citados antecessores. Aqui o foco é o blues rock, que sempre apareceu durante a discografia do grupo. Porém o destaque aqui vai para as composições de Keifer, que estão divinais. Com certeza você poderá se identificar com muitas delas, em que a vida é retratada como realmente é: cheia de altos e baixos, incertezas, mas sempre com aquela ponta de esperança que no final tudo dará certo.

E música boa é o que não falta sempre que falamos de Cinderella. E para iniciar os trabalhos, a incendiária e sacana "Bad Attitude Shuffle" te empolga para tudo que vem daqui por diante, em que a banda parece tocar dentro de um pub na beira de uma estrada abandonada, devido à pegada contagiante e raçuda que é apresentada aqui. "All Comes Down", "Freewhellin'", "Easy Come, Easy Go" e "Hot & Bothered" seguem esta mesma linha, e todas apresentam uma influência enorme de bandas como Stones e Aerosmith.

As baladas aqui são simplesmente matadoras, com letras maravilhosas que te colocarão para pensar em tudo que já passou, e que a vida deve continuar sempre. "Hard To Find The Words" é uma belíssima homenagem de Keifer à sua falecida mãe, um agradecimento sincero de todo esforço que ela fez por ele. A esperançosa e ainda mais bela "Through The Rain" é uma mensagem de esperança, que mesmo que tudo esteja dando errado, as coisas podem mudar e o "sol pode brilhar mesmo durante a chuva". "The Road's Still Long" fecha a trinca, nos lembrando que essa caminhada que é a vida nunca termina e confirma que Keifer é um compositor de mão cheia.

Um baita discão que se tivesse sido lançado quatro anos antes, estaria no mesmo patamar de toda a excelente discografia do Cinderella. Para ser escutado repetidas vezes e com muita atenção nas letras. E que pode lhe deixar ansioso para o sempre adiado disco solo de Keifer, pois realmente o homem é um pequeno monstro. E quem sabe um dia ainda não possamos testemunhar um novo disco dessa excelente banda.




01.Bad Attitude Shuffle
02.All Comes Down
03.Talk Is Cheap
04.Hard To Find The Words
05.Blood From A Stone
06.Still Climbing
07.Freewheelin
08.Through The Rain
09.Easy Come Easy Go
10.The Road's Still Long
11.Hot & Bothered

Tom Keifer - Vocais, Guitarras, Piano
Jeff LaBar - Guitarras
Eric Brittingham - Baixo
Kenny Aronoff - Bateria
Fred Coury - Bateria em "Hot and Bothered"

É missão quase impossível achar fotos dessa época do grupo, então vai uma antiga mesmo!

By Weschap Coverdale

14 comentários:

Anônimo disse...

http://www.mediafire.com/?p2ora18bydndcg0

Anônimo disse...

Como vc disse: não fosse o acaso e a perniciosa influência da gravadora, o Cinderella teria o status de grandes bandas como Aerosmith, por exemplo. Toda a sua discografia soa coerente, precisa, inspirada e criativa. Mesmo o "Night Songs", primeiro disco, ainda na fase glam, é um clássico incontestável. O Cinderella é e sempre será uma banda clássica, mesmo que isso seja aceito por apenas poucos felizardos que conhecem sua obra. "Still Climbing" não é o melhor trabalho deles, mas considerando que TODOS os discos do Cinderella são maravilhosos e de alto nível de musicalidade, baixem este e fiquem com vontade de ter os outros anteriores.

AlBassPlayer
Curitiba

Snakke disse...

Só preciso dizer uma coisa: É Cinderella? Nada mais importa


=)


Otimo disco e que confirma o que todo fã de hard deveria saber, Keifer e o Cinderella estão além da purpurina e das dançinhas, pq é uma grande banda e com um excelente compositor...

Anônimo disse...

como sempre a mídia é a responsável direta por apoiar só aquilo que a interessa. Um bom exemplo disso são as Rádios, que se tocam o que é comercial e rende lucro. Não que o grunge seja culpado por isso, mas o hard rock merece o mesmo espaço e respeito.

Rex Niskke disse...

parabens pela grande resenha,realmetne mto boa,realmente parabens,tds as resenhas do blog sao ótimas,tnaoq ue na maioria das vezes que o vizito é masi por elas do que pelos disco em si,quanto aod isco e a banda o CInderella é e nao é ao emsmo tempo uma bada injustiçada,é pq mto os julgam pelo seu vizual,e por algumas musicas dos eu primeiro disco que sao mais na levadas das bandas da época como motley e poison,e por isso deixam a banda de lado,penssando que o som dela é na mesma linahs dessa bandas,quando na verdade o som tem fortes elementos de blues e contry(isso se foi se reforçando com o passar dos anos e com os discos posteriores ao debut),mas ao mesmo tmepo nao é pq teve boa svenadagnes nos anos 80,mas ainda asism acho esse disco em especifico,tremendamente injustiçado pois nao deve em nda(e na minha opiniao até supera) os disco de hard rock que ainda conseguiamsucesso nos anos 90,como os disco do aerosmith (por exemplo),enfim banda e discos bom pra c*****o!!!!! e mais uma vez exemlnete resenha,e só nao bainho pq ja tenho!! o/

dnlz disse...

Cinderella é foda!!!E nesse disco o Keiffer canta pra caralho. Muito bom valeu mais uma vez!!!

Anônimo disse...

belo post, Cinderela Owna! ^^

Dragztripztar disse...

O melhor do Cinderella!

E acho o Night Songs o mais fraco, ainda tinha muito clichê nesse debut.

Anônimo disse...

Cinderella rox!

Keifer rox!

Cinderella merecia ter tido mais destaque na época!

Silver disse...

Meus prediletos são "Long Cold Winter" e "Heartbreak Station".

Enquanto que "Night Songs" reserva vários clichês, "Still Climbing" é uma baita continuação para seu antecessor, que já trilhava por caminhos paralelos ao Hard Rock.

Infelizmente Tom Keifer acabou por congelar a produtividade da banda no que diz respeito a lançamentos, mas isso foi melhor do que ficar se queimando em meio à tanta porcaria que surgiu em tempos posteriores.

Mandou bem, Weschapa!

Eduardo Paiva disse...

Grande banda e ótimo álbum!
Cinderella Rules!!!! \,,/

Anônimo disse...

A primeira vez que ouvi o Cinderella, achei que era a nova banda do Brian Johnson, do AC/DC.
Foi apenas por uns segundos, é claro!
Gostei bastante do álbum, tanto que na época do lançamento, comprei o vinil.
Essa geração que ouve CD e mp3 não faz ideia de como é muito legal ouvir a bolacha, e ficar olhando a mesma rodando, enquanto a agulha desliza pelas trilhas. É uma experiência sensorial diferente e muito mais gratificante, porque é tudo genial. Sem contar que as gravações naquele período não tinham nada de ProTools e afins, os caras gravavam na fita mesmo!
Bom post, e novamente agradeço que tenham tido a brilhante ideia de resenhar grandes álbuns dos anos 80.
Espero que um dia tenhamos bandas com esse quilate, até que Tom resolva compor novamente.
Abraços Rocker!

Pedro *Pe* 'Dreamer' Marques disse...

'Consumo' albuns vindouros desse blog há muito tempo, mas resenha como essa feita para esse disco é simplesmente única. Mesmo se eu não já conhecesse o trabalho e nem gostasse de rock, só pelo texto eu faria o download do álbum. Retomando, adoro Cinderella mas não conheço o album ainda, só tenho no PC um best of... agora estou me aprofundando na banda. PARABÉNS ao redator, que agora me fugiu o nome. CINDERELLA!!!!

Gill disse...

primeiro disco que ouvi do Cinderella
o que me fez querer ouvir a discografia toda..