Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

segunda-feira, 7 de março de 2011

Silverchair - Diorama [2002]


Se houve uma banda que realmente evoluiu através dos anos de experiência, podemos afirmar sem medo alguma que esta foi o Silverchair. Após surgirem no meio musical como garotos prodígios aos 15 anos de idade apostando no grunge, mudaram a direção de seu som ao passar do tempo. Mesmo nessa fase, percebemos a direção que a banda poderia tomar com o tempo, sendo um belo exemplo disso a belíssima "Cemetery", algo muito fora do padrão grunge. "Neon Ballroom" veio e passou ainda mais a explorar de orquestrações e climas mais sombrios.

Toda essa evolução atingiu o seu ápice no quarto disco do grupo, o grandioso "Diorama". Mas no momento nem tudo eram flores para o grupo. Alguns meses após a uma apresentação explosiva no Rock In Rio III, Daniel Johns foi diagnosticado com um tipo raro de artrite, que acabou por interroper a turnê do grupo durante o processo de recuperação. Mas para aproveitar esse momento parado, a banda entra em estúdio com o produtor David Bottrill para a gravação de seu novo disco.


E o mesmo desde seu início se mostrou um disco ousado. Definido por Johns como "um mundo dentro do outro", surgiu de sua maneira de compor músicas ao piano. E para captar a grandiosidade que ele desejava, foram convidados vários músicos para as gravações, para inserções de mais orquestrações nas canções que estavam sendo trabalhadas naqueles momento. A ambição de Johns era tão grandiosa, que dentro do estúdio ele se definia como um artista, ao invés de um rockstar já consagrado naquela altura do campeonato. Sem falar que seu trabalho vocal aqui está impecável, onde ele realmente parece ter encontrado a melhor maneira de usar sua voz.

E o resultado é deveras surpreendente, pois temos em mãos o disco mais grandioso da carreira do grupo. As orquestrações permeiam praticamente todo este, climas bem construídos e envolventes e canções grandiosas e que mostram que realmente esse era um trabalho artístico e carregado de emoções vindas da mente de Johns, que inclusive foi co-produtor deste. "Across The Night" abre o disco mostrando o quão grandioso o som do grupo havia se tornado, em uma junção poderosa de uma banda de rock com orquestra, o que seria uma constante durante todo este.



E este é um disco carregado de baladas, mas nem esse excesso incomoda, pois as canções são tão bem construídas que vão agradar até quem não é chegado em baladas. "Without You", "World Upon Your Shoulders" e "Tuna in The Bride" são deveras cativantes e todas agradam com suas melodias agradáveis. Mas a minha predileta nesse quesito é a linda "Luv Your Life", feita para ser memorável em cada detalhe e a cada audição se torna ainda mais apaixonante. Mas eles não se esqueceram de fazer aqueles rockões pesados do início de carreira, que se fazem presentes na cadenciada e pesada "One Way Mule" e na porrada "The Lever" que relembra os primeiros discos do grupos e mostra que não esqueceram a fórmula de como fazer músicas mais pesadas.


"After All These Years" finaliza esse disco de maneira belíssima, cheia de orquestrações e com Johns com belas linhas vocais, sendo que ao final dela existe uma pequena faixa instrumental no piano escondida. Um disco grandioso, e que mostra que é possível uma banda evoluir e experimentar novos ares de maneira inteligente e audaciosa. Mesmo que você torça o nariz para estes australianos, esta é uma boa chance para ouvir o som de qualidade que eles sempre apresentaram.





1.Across the Night
2.The Greatest View
3.Without You
4.World Upon Your Shoulders
5.One Way Mule
6.Tuna in the Brine
7.Too Much of Not Enough
8.Luv Your Life
9.The Lever
10.My Favourite Thing
11.After All These Years / Outro (hidden track)

Daniel Johns – Vocais, Guitarras, Piano, Arranjos Orquestrais (Faixas 2, 4, 10)
Chris Joannou – Baixo
Ben Gillies – Bateria, Percussão


Músicos Convidados:
Van Dyke Parks – Arranjos Orquestrais (faixas 1, 6, 8)
Larry Muhoberac – Arranjos Orquestrais (faixas 2, 4, 10)
Rob Woolf – Órgão (faixas 3, 10)
Michele Rose – Pedal Steel (faixa 7)
Paul Mac – Piano (faixas 1, 4, 6, 7, 8, 10)
Jim Moginie – Teclados (faixas 2, 5), Piano (faixa 5)


By Weschap Coverdale

7 comentários:

Anônimo disse...

http://www.mediafire.com/?8ndwtsw4c8c5186

Anônimo disse...

Pow,belo cd ... baixando o 262º post e isso é só aqui, ó, combe do iommi. De graça, os melhores sons. Grato por existirem, srs. motoristas. Fabio.

Samuel disse...

valeeeu ótimo post ;D

Silver disse...

Discasso! Incrível como o Silverchair se desenvolveu ao máximo nesse álbum.

Anônimo disse...

Arquivo inválido ou deletado!

Anônimo disse...

Belíssima matéria,assim como o Diorama e o Silverchair! Parabéns!

Anônimo disse...

Belíssima matéria, assim como o Diorama e o Silverchair! Parabéns!