Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Danger Danger - Dawn [1995]


"Difícil". Esse é o adjetivo que melhor descreve o terceiro álbum da discografia do Danger Danger, tanto seu conteúdo musical quanto o contexto histórico que envolve sua concepção, gravação e divulgação.

Em 1993, o Danger Danger já não contava mais com o tecladista Kasey Smith, que deixou o grupo porque suas linhas de teclado estavam em segundo plano nas novas composições e nas apresentações. O grupo estava em ótima fase e agora fazia parte do cast da grande gravadora Sony. Gravaram o álbum "Cockroach", que seria o terceiro da discografia, mas o vocalista Ted Poley foi demitido pouco depois das gravações se completarem.

Em substituição a Poley, o canadense Paul Laine foi contratado e regravou todas as linhas vocais. A banda e a gravadora planejavam lançar o disco com os vocais de Laine, todavia foram impedidos por ações legais tomadas por Poley. O guitarrista Andy Timmons, atordoado com a confusão, pulou fora do barco e a gravadora decidiu não trabalhar mais com o conjunto.

Os únicos integrantes originais restantes, Bruno Ravel e Steve West, formaram sua própria gravadora, chamada Low Dice Records, compuseram um novo disco do zero com Paul Laine e lançaram pelo próprio selo. Se viraram ao ponto de Ravel ter que assumir as guitarras e o baixo nas gravações. E de toda essa confusão, nascia o ótimo, porém incompreendido "Dawn".


Num primeiro momento, era complicado digerir que uma banda de Hard Rock farofa, sensação de adolescentes e dona de hits como Bang Bang e I Still Think About You poderia fazer um álbum como "Dawn". Trata-se de um disco pesado, que traz uma atmosfera mais sombria, com uma pitada de Heavy Metal e do que o Grunge apresentava naquele momento. Por favor, o Grunge de Alice In Chains e Soundgarden, e apenas uma pitada.

O trabalho que o trio fez em "Dawn" é incrível, consistente e, até certo ponto, mais preocupado com a arte do que com a repercussão. Não deve ser ignorado por ser difícil de ser compreendido em primeira instância. O Danger Danger mudou da água para o vinho ao trazer composições ricas em detalhes, instrumental tocado de forma habilidosa, letras que proporcionavam reflexões críticas sobre certos assuntos e, principalmente, vocais fantásticos de Paul Laine - de longe, o destaque do play.

Entre os maiores êxitos do trabalho, constam a abertura poderosa que é Helicopter, a positivamente depravada Sorry, a brilhante Mother Mercy (dá-lhe Laine) e a linda Goodbye. Mas vale a pena ouvir essa pepita do começo ao fim, pois não conta com um filler sequer.



01. Helicopter
02. Crawl
03. Punching Bag
04. Mother Mercy
05. Sorry
06. Drivin' Sideways
07. Goodbye
08. Wide Awake And Dead
09. Heaven's Fallin'
10. Hard

Paul Laine - vocal, guitarra, percussão, B-3
Bruno Ravel - guitarra, baixo, teclados, backing vocals
Steve West - bateria, percussão, backing vocals

(Links nos comentários - links on the comments)

by Silver

3 comentários:

Anônimo disse...

Danger Danger - Dawn [1995]

http://www.mediafire.com/?g4tu6yavm3d713h

MG Tatuajes disse...

Este foi um dos poucos casos onde uma banda de Hard bastante comum me demostrou que era possivel depois de 2 discos farofa fazer algo realmente detonante.

Victor Klinger disse...

Baixando... vlw!