Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

domingo, 19 de junho de 2011

Roadhouse - Roadhouse [1991]


Os Petes do Rock normalmente são os caras que se deram mal na hora de aproveitar o sucesso que tanto buscaram. O mais famoso, é claro, foi Pete Best, baterista que levou um pé dos Beatles pouco antes da banda se tornar uma das maiores lendas da história da humanidade. Em uma escala menor, temos o guitarrista Pete Willis. Membro fundador do Def Leppard, roeu o osso nos primeiros anos do grupo. Participou dos dois primeiros álbuns e, antes das gravações de Pyromania, quando a história tomaria o rumo da consagração definitiva, ganhou bilhete azul, devido a seu comportamento cada vez mais autodestrutivo e comprometedor para uma atividade que se tornava mais séria e profissional com o passar do tempo.

Foi uma longa batalha no então produtivo underground britânico até algo acontecer no período pós-demissão. A primeira tentativa realmente representativa foi no Gogmagog, projeto que reunia outros renegados da cena britânica, como Clive Burr, Paul Di’Anno e o encara-todas Neil Murray, além de um novato e aventureiro Janick Gers – ou seja, praticamente um Iron Maiden de segunda mão. A coisa não passou de um EP, já que quase todo mundo ali parecia mais preocupado em se chapar do que tocar. Mais uma frustração aconteceu com a banda Nightrun, que também ficou no primeiro mini-álbum, não conseguindo se destacar na cena de Sheffield, terra natal.



Anos se passaram até que surgiu uma nova chance, com a banda que inicialmente se chamava The Few. Curiosamente, os primeiros passos foram dados com outro ex-Def Leppard, o baterista Frank Noon, que havia gravado o primeiro EP de Joe Elliott e companhia, além de ter tocado no Waysted e no Di’Anno, primeiro grupo do ex-vocalista do Iron Maiden após ter sido chutado por Steve Harris. Mas ele registraria apenas a primeira demo, antes de pedir o boné – embora tenha sido creditado como compositor em uma das faixas que entraria no álbum.

Com material em mãos, não demorou muito para o grupo chamar a atenção da Phonogram Records. Mas a companhia pediu para que mudassem o nome antes de assinar o contrato, já que após uma consulta de marcas e patentes mostrou que outros já haviam tido a idéia antes. Assim, após algumas opções rejeitadas, surgia o Roadhouse. O próximo passo foi encontrar um novo baterista. A vaga ficou com Trevor Brewis, ex-integrante do Well, Well, Well. O suporte de uma gravadora fez com que Willis mudasse sua posição inicial, de apenas ajudar o grupo no começo, não se tornando um membro fixo.



Quem esperava que o Roadhouse fosse resgatar a sonoridade mais crua dos trabalhos que Pete fez com o Def Leppard, se surpreendeu. A opção dos músicos foi se aproximar justamente daquilo que a banda fez posteriormente, nos gloriosos dias de Pyromania e Hysteria. A proposta já fica clara na abertura, com “All Join Hands”, uma espécie de filha bastarda de “Pour Some Sugar On Me”, com direito a backing vocals totalmente inspirados no estilo. Outras lançadas como single foram “Time” e a baladaça “Hell Can Wait”, essa a mais bem sucedida, tendo alcançado o número 9 na parada britânica. Também merecem destaque a agitada “A Little Love” – cara de hit em FMs mais abertas ao Rock – e “One Heart”, com melodia e refrão inesquecíveis logo após a primeira escutada.

Após o álbum chegar às lojas, a banda saiu em turnê, abrindo shows de Ian Gillan e do Saxon. Apesar da aceitação razoável para o trabalho (número 26 no chart de discos inglês), o grupo sofreria um forte abalo com a saída do vocalista Paul Jackson, que foi convidado para substituir Noddy Holder no Slade – o que também acabou durando pouco. Desfalcados de uma peça importante, os músicos optaram por encerrar as atividades. Atualmente, Pete Willis segue morando em Sheffield, mas não faz mais parte do mundo da música, atuando no ramo imobiliário. Portanto, fãs de seu trabalho têm aqui a última chance de conferir algo de sua autoria. Quem gosta do leopardo surdo, com certeza não pode perder.



Paul Jackson (vocals)
Pete Willis (guitars)
Richard Day (guitars)
Wayne Grant (bass)
Trevor Brewis (drums)

01. All Join Hands
02. Time
03. Tower Of Love
04. A Little Love
05. Loving You
06. Hell Can Wait
07. One Heart
08. New Horizon
09. Stanger In Your Eyes
10. Desperation Calling

Link nos comentários
Link on the comments


JAY

6 comentários:

Anônimo disse...

Roadhouse – Roadhouse [1991]

65 MB
192 kbps

http://www.multiupload.com/YW4WFL8LP3

Cherry disse...

EeE nada mais justo do que eu ser a primeira a comentar. heheh

o post ficou muito legal, a resenha como sempre muito boa... eu sou frequentadora fanatica do blog, e tmb dos teus posts. hehehe

agora vc me deixou com vontade de ouvir...

Obg... :)

bj

Weschap Coverdale disse...

Essa não conhecia e curti! Vlw Jay.

Ito disse...

Legal mas o que me interessou mesmo foi o tal Gogmagog, eles deixaram algum registro? Vlw.

samuel disse...

xD otimooo disco

Bidóia - www.virtualrock.net disse...

Olá amigo, somos antigos parceiros, mas devido a alguns problemas eu mudei o meu dominio, peço que mude o meu link na sua barra de parceiros para http://www.virtualrock.net para que eu tambem possa receber visitas. Um grande abraço, obrigado.