Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

terça-feira, 14 de junho de 2011

Tony Iommi & Glenn Hughes – Fused [2005]


Em épocas de Black Country Communion - supergrupo pra lá e supergrupo pra cá – todos lembram que Glenn Hughes participou de duas das maiores bandas do metal dos anos 70 (apesar de que, no Black Sabbath, foi nos anos 80 e o grupo era praticamente um projeto solo de Tony Iommi). Hughes só não participou do Zeppelin, na santíssima trindade, mas está atualmente tocando com o filho de Bonzo.

Como precursor do hard rock, Hughes também participou do Trapeze, que teve Mel Galley nas guitarras, que depois se uniria a David Coverdale do Deep Purple (da fase Hughes) para tocar no Whitesnake. O batera era Dave Holland, que depois veio a integrar o Judas Priest. Ô povinho que gosta de trocar figurinhas esse!

O post de hoje reflete uma fase um pouco cruel da carreira da “voz do rock”. Quando integrou o Black Sabbath e gravou o disco Seventh Star (1986), Glenn Hughes estava simplesmente afundado nas drogas. Seu rendimento ao vivo era menos que uma sombra do seu passado glorioso, e no estúdio suas contribuições eram pequenas, se pararmos para lembrar que foram suas influências de funk e soul nas composições do Deep Purple que fizeram com que Ritchie Blackmore pedisse as contas. Ele nunca foi um homem de ficar atrás das cortinas, nos bastidores.



A dupla era obviamente fantástica, e o arquivo legado aos fãs (com uma reedição de sobras em 2004 das sessões da época) não fazia por merecer. Tony Iommi é o riff man do metal, e essa qualidade, somada à voz de Hughes, sempre restou promissora. Pois bem. A reunião finalmente ocorreu e, dela, saiu Fused. Um disco de inéditas com o peso que se espera de Iommi e a grandiloquência de Hughes. Tudo o que você quiser está aqui.

Para a empreitada recrutaram o session man Kenny Aronoff, que gravara sua bateria com os Rolling Stones, Bob Dylan, Rod Stewart, Alice Cooper, Bob Seger, Lynyrd Skynyrd, John Mellencamp e muitos outros. Bob Marlette trabalhou nos teclados e contrabaixo (em algumas canções), e foi produtor junto com a dupla famosa. Um petit comitè fazendo uma sonzeira pra lá de infernal.

Dopamine abre o play com um riff quase industrial. A coisa muda quando a bateria zeppeliniana entra em cena e detona tudo. Iommi está com um timbre cheio, mas não como de costume. Parece que deixou de lado aquele fuzz abelhudo e resolveu simplesmente lacrar seu amp e gravar várias guitarras em camadas. Um som para assistir à final da UFC no dia dos namorados, tamanha candura. Iommi sola com um wah wah violento, lembrando... Zakk Wylde, e me fazendo esquecer que ele simplesmente não tem a ponta de alguns dedos. Como ele consegue? Coisa de gênio.



Wasted Again parece ser uma paródia dos tempos em que os traficantes impediram a turnê de 86 do Sabbath, quando cobravam certas contas do então vocalista. Glenn Hughes simplesmente dá as tintas de forma magistral. Saviour of the real mostra que Bob Marlette foi o responsável pelo resultado final, com teclados discretamente encaixados na cortina sonora de Iommi. Tudo perfeito, como se tivéssemos Led na bateria, Sabbath nas guitarras e Purple nos vocais. Uma combinação especial.

Pulo diretamente para o final. I go insane abre como um blues lento e se desenvolve em partes conexas, num crescendo que culmina no êxtase sonoro que dá fim ao disco. Nada que Iommi tenha feito antes ou depois se compara a isso. Não digo que seja melhor ou pior, mas sim único.



A Combe do Iommi precisava desse play para fazer ainda mais jus ao seu nome. Não é apenas uma reunião ou um supergrupo. Fused é um disco que resultou de uma união de músicos geniais que resolveram botar suas energias para fora de forma conjunta.

E, meu amigo, o bicho pegou valendo.

Track List

1. "Dopamine"
2. "Wasted Again"
3. "Saviour of the Real"
4. "Resolution Song"
5. "Grace"
6. "Deep Inside a Shell"
7. "What You're Living For"
8. "Face Your Fear"
9. "The Spell"
10. "I Go Insane"

Tony Iommi (guitarras)
Glenn Hughes (baixo e que voz)
Kenny Aronoff (bateria)
Bob Marlette (baixo e teclados)

Link nos comentários
Link on the comments

Por Zorreiro

13 comentários:

Anônimo disse...

http://www.mediafire.com/?3u088bhua43kuih

Junior disse...

Iommi + Hughes = clássico.

Matemática simples. =)

Ricardo Brovin disse...

Arregaçou!!!!discaralhaço!!!Pra mim o melhor da década!!!parabéns pelo post...!!!

by Paulo Neto disse...

adquiri este disco em 2006, não sei como e nem porque, jamais ouvi algo tão bom no estilo depois deste. simplesmente sublime. merecia mais destaque na midia.

jesusbiblio disse...

"como ele consegue?"é o que eu sempre me pergunto!!Tony Iommi é inexplicável!!! mais uma vez hughes prova ser the voice of rock !!!

senhorjj disse...

simplismente demais este som nossa! dá até medo!!!

jantchc disse...

otimo cd..

um dos melhores do hughes e mais um otimo do iommi da decada passada..

bem q eles podiam se juntar e lançar outro..

Rex Niskke disse...

tremendo discao,dopamine é extremanete viciante,e uma puta musica!!!! excelent post

Isaac disse...

Tem como dar errado?

Victor Nazário disse...

E pensar que correu o risco desse petardo ficar guardadinho no estúdio do Iommi..... que desperdício seria.....rsrsr
DISCARALHAÇO !!!!!!!!!!!
Abraços

Anônimo disse...

D+! Parabens.
Douglastico

Anônimo disse...

esta cabron falta Dio Hay$$$$$$$$$

Anônimo disse...

PORREIRO ESSE DISCO...

OQ ACHAM DE POSTAREM TB O IOMMI DE 2000, JA Q ELE GRAVOU COM UM TIME DE FUDER???

SERIA UMA POSTAGEM OTIMA COM RESENHA E TUDO (PRO REVEILLON??) E VCS FAZEM JUS + UMA VEZ AO NOME DO BLOG Q HONRAM...

VALEU E ABRAÇO


BAIACU