Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Sepultura - Arise [1991]



O legado do Sepultura é tão grande e importante que até mesmo quem não gosta da fase atual sem os Cavalera respeita a banda, e muito. Afinal, eles fizeram algo inédito na história da música pesada brasileira: tiveram projeção internacional com um gênero primeiro-mundista (e chegam a ter mais admiradores lá fora do que aqui em nossas terras).

Quem tem certa noção do começo da carreira do Sepultura, sabe que foram muitos anos para que eles conquistassem o espaço que hoje têm, e essa conquista se deve principalmente a "Beneath The Remains" (já postado pelo meu amigo Zorreiro), que mostrou ao mundo uma banda madura e competente, que sabia o que estava fazendo e sabia o que queria.

O sucesso foi enorme e estrondoso pelos quatro cantos do mundo. Tocaram com o Sodom na Áustria, fizeram shows pelo México e se apresentaram no Dynamo Open Air Festival, com uma plateia de mais de 20 mil pessoas. Era a carreira deslanchando como nunca.

Depois de um ano em turnê, decidiram entrar em estúdio novamente com o renomado Scott Burns (que havia produzido também "Beneath The Remains"). O resultado pôde ser conferido em 1991 quando "Arise" caiu como uma bomba nas prateleiras.


Da esquerda para a direita: Max e Igor Cavalera, Andreas Kisser e Paulo Jr.

"Arise" é o quarto disco da banda e marca uma evolução ainda maior, sonoramente falando. Se em seu antecessor os arranjos ficaram mais definidos, os riffs idem, o vocal melhorou e a bateria foi bem dosada, aqui o nível é mantido, mas com uma diferença: a influência dos sons brasileiros em algumas composições. E isso pode ser verificado em Altered State e Under Siege, por exemplo.

Outra diferença que podemos perceber entre esse e "Beneath" é a desaceleração das músicas. A paulada ficou bem mais técnica e menos frenética, os arranjos bem mais refinados, e Max vocifera com ainda mais fúrias aos microfones. Sem esquecer, é claro, de Kisser, que é um dos guitarristas mais conceituados do Brasil; substituir Scott Ian não é pouca coisa.



Os destaques ficam por conta das clássicas Dead Embryonic Cells, Subtraction e Under Siege, além da já citadas Altered State. Detalhe também para o cover poderoso de Orgasmatron, que foi incluído na versão brasileira do álbum. Clássico para botar a casa abaixo!


Max Cavalera - vocal, guitarra base
Paulo Jr. - baixo
Andreas Kisser - guitarra solo
Igor Cavalera - baquetas e percussão

1. Arise
2. Dead Embryonic Cells
3. Desperate Cry
4. Murder
5. Subtraction
6. Altered State
7. Under Siege (Regnum Irae)
8. Meaningless Movements
9. Infected Voice
10. Orgasmatron

Link nos comentários!
Link on the comments!

Por Gabriel


8 comentários:

Anônimo disse...

http://www.multiupload.com/5DGLJWOZWR

eightendeaths disse...

quando se fala de musica brasileira na gringa ... se fala sepultura !
me lembro do jonni rivers em entrevista na sua ultima estadia aki no brasil . perguntaram pra ele : marco/ - "vc conhece musica brasileira???"
jonni/ - "Só sepultura"

Silver disse...

Sepultura sempre representou e continua representando o Brasil muito bem lá fora. Vi a formação atual ao vivo e confirmo que, apesar de não ser a mesma coisa, os caras têm muito poder e são excepcionais no que fazem.

jantchc disse...

o unico disco inteiro do sepultura q eu ouvi foi o roots q eu achei muito bom..

como não gosto muito de trash, não ouvi os outros..

mas a importancia do sepultura pro metal brasileiro deve ser reconhecido por todos..

Anônimo disse...

vlw...classicão...eta epoca boa...

Anônimo disse...

THIS IS CLASSIC!!

Victor Nazário disse...

A banda brasileira de maior expressão no mudo inteiro !!! Indiscutivelmente !!!!!
Abraços.

maisquevencedor disse...

Esse é o disco mais gosto do Sepultura!!!!