Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Vicious Art - Fire Falls And The Waiting Waters [2004]



Todos que conhecem o estilo sabem bem que o Death Metal sueco possui elementos cadenciados com uma boa dose de groove, e em alguns casos muita melodia, só que essa banda que vos trago foge de tais características tão predominantes que parecem até ser regra entre as bandas desse país. A escola sueca de Death Metal pra mim sempre foi mais atraente, justamente por conseguirem brutalizar sem se perder em uma zuada monótona e embolada. Isso para alguns defensores ferrenhos do Death Metal tradicional chega a ser um insulto ao estilo, no entanto não tem como apontar qual linha do Death Metal é a principal ou "verdadeira".

A formação do Vicious Art vem sendo moldada desde a segunda metade da década de 90, a partir do grupo de Black Metal Dark Funeral, onde o guitarrista Matti Mäkelä e o baterista Robert Lundin ingressaram juntos. Matti permaneceu por mais tempo e fez parte de uma das formações mais clássicas da banda, gravando o "Diabolis Interium" que foi um divisor de águas na carreira desse conjunto, tido por muitos como o seu melhor trabalho e um clássico do estilo, fato que eu assino embaixo.

No mesmo ano em que entraram para o Dark Funeral, em 1998, Matti e Robert juntamente com Emperor Magus Caligula (vocalista do Dark Funeral naquela época) rapidamente criaram o projeto Dominion Caligula, voltado para o típico Death sueco e lançaram um discaço, que eu considero um dos melhores álbuns já lançados por um projeto paralelo de música extrema. Isso acabou firmando mais ainda a parceria de Matti e Robert, e logo que o projeto foi encerrado e Matti deixou o Dark Funeral, se juntaram novamente, formando o Vicious Art, e trazendo como vocalista, o ex-baixista do Dominion Caligula, Jocke Widfeldt.



Inicialmente Jocke assumiria também o baixo, além dos vocais, porém surgiu no caminho outra fera da cena extrema na Suécia, Jörgen Sandström, que já exerceu diversas funções em alguns dos principais grupos daquele país, tais como Entombed, Grave, Krux e The Project Hate MCMXCIX, seja cantando, ou tocando baixo ou guitarra, ou até mesmo acumulando todas dessas funções. Essa adição de peso trouxe ainda mais dinamismo pra sonoridade do Vicious Art, pois Jörgen foi chamado pra tocar baixo, mas acabou dividindo os vocais, fazendo duetos assombrosos com Jocke.

Agora, como eu posso dizer no início do texto que acho mais interessante as características do Death Metal sueco e vim postar justamente uma banda que não se enquadra nos clichês que me agradam? Contradição? Talvez... Mas o fato é que, apesar do Vicious Art apostar em uma sonoridade muito mais brutal do que a grande maioria de seus conterrâneos, fazendo uma desgraceira do começo ao fim, as variações e as quebradas de ritmo dão um "quê" de originalidade, que aliado à força e velocidade guiada por riffs muito bem construídos e uma "cozinha" absolutamente infernal fazem desse disco uma orgia de violência sonora ultrajante, sem partes lentas pra respirar.

Aqui não se tem intenção de revolucionar e nem balancear o som com melodias ou passagens sofisticadas para agradar garotas ou uma molecada alheia e revoltada, e sim somente, praticar um Death Metal de primeira linha que é mais do que certo ter a aprovação por fãs do estilo. "The Poet Must Die", "War", "Fire Falls" e "Debria Seems To Be Bleeding" serão as principais responsáveis por levar ao orgasmo quem curte uma pancadaria sonora bem feita.

01. Debria Seems to Be Bleeding
02. Komodo Lights
03. Fire Falls
04. A Whistler and His Gun
05. Ceremony: The Waiting Waters
06. Mother Dying
07. The Poet Must Die
08. Cut This Heathen Free
09. War
10. Why Would the Captured Set Free the Flies?

Jocke Widfeldt - Vocals
Matti Mäkelä - Guitar
Tobbe Sillman - Guitar
Jörgen Sandström - Bass, Vocals
Robert Lundin - Drums

(Links nos comentários - links on the comments)

Dragztripztar

Da esq. para dir.:Tobbe Sillman, Matti Mäkelä, Jörgen Sandström (em baixo), Jocke Widfeldt e Robert Lundin

2 comentários:

Anônimo disse...

http://www.mediafire.com/?72gjtpoc6292b72

Bruno Gonzalez disse...

Interessante... Vou baixar! Imagino que seja algo ao estilo Death Metal americano, que é o meu favorito.

Valeu!