Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Brides of Destruction - Here Come the Brides [2004]


Eu não ia postar Hard Rock hoje, aliás, o estilo que eu procuro abordar menos é o Hard Rock justamente pra ajudar a diversificar cada vez mais o blog. Acompanhei a Combe por um bom tempo única e exclusivamente devido aos posts de Hard, o que contribuiu para tornar o meu estilo favorito. Porém, nos últimos dias, o que menos foi postado aqui foi Hard Rock, mas aí surge um ou outro alheio falando que o blog está muito farofa. E como sempre somos solícitos a homenagear quem faz esse tipo de reclamação sem fundamento, postando ainda mais Hard, eu venho agora dá minha contribuição.

Para a coisa ficar mais completa, eu não trago um clássico do Hard Rock, muito menos algum disco farofa, e sim, um trabalho 'modernoso' de músicos lendários do Hard oitentista, o que resultou na traição do movimento, véio. Melodias afáveis, composições completamente acessíveis e instrumental de facílima assimilação, embora seja bem pesado, é o que encontramos no debut do Brides of Destruction. Porém, isso não significa que seja ruim, pelo contrário, é um som vibrante e o que de melhor pode se produzir com a modernidade exacerbada. E os responsáveis por essa treta foram Tracii Guns e Nikki Sixx.


A sina de Nikki Sixx era criar um projeto com algum ex Guns. Primeiramente conversou com Slash e juntos cogitaram a criação de um grupo, mas Slash voltou atrás e resolveu se focar no Velvet Revolver. As coisas funcionaram com Tracii Guns, e depois Sixx chamou Dj Ashba que se recusou a fazer dupla com Tracii. Outro guitarrista envolvido com a banda foi John Corabi, que saiu antes das gravações do debut serem finalizadas devido a problemas com Tracii Guns, e por alegar que não tinha espaço para colocar suas idéias nas composições. Mesmo assim, gravou algumas partes de guitarra e co-compôs "I Got A Gun".

O disco abre com "Shut the Fuck Up", que de cara inflama os nervos dos hard rockers puristas. Guitarras soltas e backing vocals tipicamente Punk ditam o ritmo. A eletrizante "I Don't Care" acrescenta efeitos na voz de London LeGrand à essas características. "2x Dead" lembra a sonoridade do projeto Lynch/Pilson. Por sinal, "Here Come the Brides" é uma mistura desse direcionamento moderno do Lynch/Pilson com a fase Generation Swine do Mötley Crüe. A mistura de Rock Alternativo com Hard Rock soa perfeita em "Brace Yourself", que possui um refrão com vocais crescentes que remetem à "Zero the End" do Lynch/Pilson.


O groove corre solto em "Natural Born Killers", contando com harmonias vocais pra lá de comerciais. E o batera Scot Coogan assume os vocais em "Life", que é a maior prova de que os caras sabem muito bem compor Rocks radiofônicos. A porradaria com algumas batidas Hardcore é misturada ao refrão completamente Alternativo em "Revolution", que também tem uns efeitos bem legais de sintetizadores no começo. A coisa só perde um pouco o rumo em "Only Get So Far", uma balada chata e cansativa.

Eu conheci esse álbum dois anos após o lançamento e detestava até a semana passada. Apesar do som não ser nenhum pouco hermético, a modernidade me rechaçou por todo esse tempo e acredito que possa ocorrer o mesmo com alguns nas primeiras audições. Mas, o certo é que "Here Come the Brides" foi feito para divertir e descontrair de maneira descompromissada. Tem qualidade e é agradável, somente não espere nada tão inspirado ou qualquer coisa que o torne especial. Rock moderno dos bons, apenas isso.



01 - Shut The Fuck Up
02 - I Don't Care
03 - I Got A Gun
04 - 2X Dead
05 - Brace Yourself
06 - Natural Born Killers
07 - Life
08 - Revolution
09 - Only Get So Far

London LeGrand – Lead Vocals
Tracii Guns – Lead Guitar, Backing Vocals
Nikki Sixx – Bass, Backing Vocals
Scot Coogan – Drums, Backing Vocals, Lead Vocals on "Life"

John Corabi – Additional Guitars on all songs
Kris Kohls – Drums on "I Got A Gun", "Natural Born Killers", "Revolution" and "Only Get So Far"

(Links nos comentários - links on the comments)

Dragztripztar

7 comentários:

Anônimo disse...

http://www.mediafire.com/?d5ri6ib9l0r10dy

dnlz disse...

Animal!!! Esse disco é disco é maravilhoso . Muito obrigado!!

Rex Niskke disse...

nunca dei mta atençao a esse cd escutei eles algumas poucas vezes quandoo comprei mais nunca vi nada demais nele,e realmente ele me surprrendeu assim como eu acho que surprende a qualquer um que o busca sómente sabendo de seus integrantes (sixx e tracci) e esperana erroneamente assim como eu por um disco num estilo completamente 80's,mas enfim,sobre o disco em si cmo ja flei nao gostei mto dele,na época reclamei mto mas hoje eu entendo o que eles quiseranm propor aqui,td que nikki queria era fazer um disco mais solto sems e preucupar com rotulos nem vendas nem nda,e vendo por esse angulo acho que ele conseguiu o que buscava,ja que o disco apresenta uma gama bem variada de generos

Taliban Sexy Trucker disse...

Disco foda, hard rock visceral, achei demais msm, boa pacas, tô me deleitando enquanto tomo umas... kkkkkkkkkkkkk

Alex Pereira disse...

Gostei do vídeo... tô baixando!!

Anônimo disse...

- Opaa!!! Valeu !!! Não conhecia ( além da carreira solo ) nunca ouvi outro projeto do Niki Sixx...

- Vamos ver a quantas anda o baixo GORDUROSO do Sixx... Na realidade ele é mais STAR que musico propriamente falando...

Valeu grande post !!!

- Obelix The Viking !!!

Dragztripztar disse...

Sim, "Obelix". O Nikki é cheio de estrelismo. O Tracii falou que ele se sentia muito mal tocando em clubs undergrounds e lugares pequenos com o BOD, pq o público ficava muito acessível à ele.

O retorno do Crüe foi uma bela desculpa pra ele cair fora da banda. Essa de querer ser o "intocável", é coisa de babaca, sem dúvida.
Mas discordo desse estrelismo ser maior do que o lado músico dele. Pq mesmo ele não sendo lá um grande baixista, foi um dos principais responsáveis pelo sucesso do Crüe. Nos primeiros discos ele escrevia a maioria das composições, portanto, foi o grande responsável por definir a sonoridade do Mötley.

E, babaca por babaca, o Vince Neil deixa ele no chinelo, hahaha.