Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

sexta-feira, 4 de março de 2011

Megadeth - Peace Sells... But Who's Buying? [1986]


Ao ser expulso do Metallica devido a seu problema com drogas e gênio difícil, Mustaine prometeu que faria uma banda mais pesada e rápida que sua banda anterior. E foi esse sentimento de vingança que o moveu durante muito tempo, e acabou por gerar grandes clássicos da história do metal. E não só bastou para que mais uma banda sensacional da Bay Area surgisse, como para que a vingança de Mustaine gerasse clássicos incontestáveis e mostrasse a sua genialidade para todo o mundo.

E um dos grandes momentos de sua carreira vem logo em seu segundo disco, o maravilhoso "Peace Sells... But Who's Buying?". Com uma banda que logo em seu primeiro registro mostrava um potencial enorme, logo no antecessor quebrou tudo de vez. Riffs espetaculares, cozinha pesada e envolvente, um Mustaine com sua voz esganiçada e perfeita para a proposta do grupo, em que nos entregam verdadeiros petardos, sem amaciar em nenhum momento para os ouvintes. Se no primeiro disco a banda beirava a insanidade, no segundo a coisa não mudou de figura, porém com muito mais técnica, mostrando a todos que o único objetivo do grupo não era extravasar a raiva de Mustaine.


Outro ponto que merece ser destacado são as letras, algo pelo qual Mustaine sempre prezou, indo desde o mais fundo dos sentimentos humanos, até a crítica que muitas vezes atingia as atitudes do governo americano, a ONU e até as maneiras pelas quais as próprias pessoas agiam em seus relacionamentos. Sim, e nesse disco temos ótimos momentos, em que as letras vão te deixar com uma pulga atrás da orelha, o quão questionadoras eram, atirando para todos os lados sem dó e nem piedade. Logo na capa do disco, o mascote Vic Rattlehead aparece em frente ao prédio da ONU, com uma placa de vende-se, questionando a integridade dessa famosa organização. Algo para quem tem coragem!

E sim, a cada canção seu pescoço pedirá para ser quebrado. "Wake Up Dead" tem um curta letra sobre traição, mas quem nem precisava ser maior para chegar ao ponto desejado. A porrada sonora apresentada durante seus três minutos é de impressionar, mostrando que a banda passaria facilmente pelo desafio do segundo disco, algo que muitos grupos não conseguem. Destaque para a aula de bateria apresentada por Gar Samuelson, algo impressionante e arrasador. Mas a banda não estava para brincadeira e assusta ainda mais com a paulada "The Conjunring". Começa com uma levada sombria, para logo em seguida virar uma mistura de melodia e fúria. Ellefson nos dá uma linha de baixo matadora, as guitarras gritam de maneira frenética e Samuelson esmurra a bateria sem dó alguma. Música pra macho, sem muita firulinha, como um bom trash deve ser, para quebrar pescoço sem medo de ser feliz!



E quando você pensa em pedir pinico, o baixão de Ellefson nos esmurra com a introdução matadora de "Peace Sells", um clássico incontestável! Além de questionar os governos mais uma vez, Mustaine aproveita para dar aquela agulhada básicas no tr00s metidos a machões, mostrando que seus estereótipos não são nada mais do que pensamentos de crianças mimadas criadas por suas avós bebendo leite de pêra e soltando pipa no ventilador. Algo não menos que genial e elogiável. O mais legal é ver esses caras cantando essa música a toda altura e não saber que estão questionando a eles mesmos. "Devils Island" cativa mais uma vez por ser agressiva e pesada, com riffs matadores e uma cozinha inspirada demais, criando uma parede sonora que irá esmagar os desprevenidos.

"Good Morning, Black Friday" começa como um calmo instrumental, mas vai ganhando força aos pouquinhos até virar mais uma pancadaria, e haja pescoço para aguentar os movimentos bruscos que sua cabeça fará. Eu mesmo neste momento estou com o meu pescoço doendo, de tanto que quebrei até aqui, pois é uma tarefa impossível resistir a isso. "Bad Omen" não foge a regra de tudo que foi feito até aqui, mais uma música suja, cheia de velocidade e peso, onde você se pergunta se Mustaine queria nos matar do coração com tanta pancadaria. A versão de "I Ain't Supertitious", gravada originalmente por Willie Dixon começa com um tom bluseiro que impressiona e dá uma ótima quebrada. Mas nada impede que no finalzinho a pancadaria apareça novamente e depois o envolvente ritmo bluesy apareça novamente e deixar essa canção irresistível.

E quando você pensa que já tá bom demais e tudo podia acabar por aqui, vem o grand finale, com "My Last Words", em que na letra é retratado um grupo que está praticando roleta russa e os pensamentos que vem a sua mente naquele momento, e finaliza o disco com a mesma velocidade que foi mantida durante toda a execução do mesmo. Sim, Mustaine conseguiu o que queria, que era uma banda mais rápida e agressiva sem muito esforço. Esse registro aqui faz com que qualquer disco do Metallica pareça uma continuidade do projeto Xuxa só para baixinhos! Se você tem ouvido sensível, afaste-se deste!





1.Wake Up Dead
2.The Conjuring
3.Peace Sells
4.Devil's Island
5.Good Mourning/Black Friday
6.Bad Omen
7.I Ain't Superstitious
8.My Last Words

Dave Mustaine — Vocais, Guitarras
David Ellefson — Baixo e Backing Vocals
Chris Poland — Guitarras
Gar Samuelson — Bateria



By Weschap Coverdale

16 comentários:

Anônimo disse...

http://www.mediafire.com/?2gyqat8u0i68uyy

Dragztripztar disse...

Acho que até o Countdown to Extinction não tem ataque xiita. Ou tem? Eu diria até o Youthanasia, mas convivo com uma pessoa que detesta este disco. Nessa época (do Peace Sells), o Mustaine lançava magias negativas em seus inimigos (ou rivais). Ele alega isso, todo mundo sabe. Bem como também afirma que todas surtiram efeito. Pois bem, uma dessas magias foi direcionada ao Metallica. E, mesmo depois de convertido, ele não conseguiu reverter seu trabalho "negro".

Rex Niskke disse...

eurri com o que o dragz falo ahsuahsuahsuhaushauhsuahsuhauhsuahushaushuahsuahu e o "pior" é que é verdade ahsauhsaushuahsauhsahsuahu

mas sobre o disco em si,um puta disco,e realmente poder gritar peace sells no meiud a multidao é algo inigualavel(que puta show foi o do ano passado,e eu fui *o*),mas enfim uns dos melhores disco do mega,uns dos classicos da discografia,e pra mtos o verdadero magnum-opus da banda,mas pra min esse cargo fica por conta do RIP e ninguem tira)

Weschap Coverdale disse...

Dragz win! FATALITY!

Metallica melhor que Megadeth? NUNCA SERÁ, NUNCA SERÁ!

Silver disse...

Mustaine foi uma das piores pessoas do Rock. Personalidade conturbada e excêntrica. Mas é um gênio, principalmente na ala do Thrash Metal.

Na minha opinião, um disco desses não dá nem páreo pra 90% da discografia do Metallica. Só não digo 100% porque isso são outros discos "mais perfeitos" que o Megadeth fez, como "Rust In Peace". E olha que adoro Metallica.

Ótima postagem!

Anônimo disse...

Esse disco é legal. Eu já o tenho.

Mas achei a resenha um tanto quanto exagerada.

E a praga do Mustaine pegou quando o Cliff morreu...

Dragztripztar disse...

"Mas achei a resenha um tanto quanto exagerada."
http://www.youtube.com/watch?v=hxBEywSJ0YY&feature=related

Jay disse...

A Combe é foda, temos até avaliadores de resenhas. Quando aprovada, ganha selo de referência do Inmetro.

Sargento Peace Sells, personagem clássico dos Trapalhões.

ZORREIRO disse...

pois eu acho que as resenhas do weschap estão cada vez melhores e mais afiadas.
Repito: se é pra postar ficha técnica não precisa motorista. O que atrai na combe são justamente os textos.
Sargento peace sells? The igors? Mr trocadilhos jay...

Weschap Coverdale disse...

Sargento peace sells....... Kkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Ah, agora sim, estamos falando de uma banda que merecia ter METAL em seu nome e logotipo? Sim, o Megadeth merecia e ainda merece, porque o Metallica, apesar do enorme sucesso que fez e ainda faz, está longe de ter o "tchan" que o Megadeth conseguiu em vários de seus trabalhos. Megadeth é o suprasumo do que que há de mais moderno no thrash metal, porque efetivamente distribuiu ao longo de suas músicas a personalidade do seu líder, seja com suas letras, com sua voz característica, mas principalmente com ALMA! E não digo ALMA no sentido religioso, mas no sentido de ENERGIA, aquela que faz as coisas acontecerem!
OK, Dave Mustaine fez um monte de bobagens nos bastidores, fez coisas de retardado imoral, acabou com a banda, deu desculpas esfarrapadas, mas com o seu arquirival não foi diferente. Todos se envolveram em baixarias, mas estão aí, vivos, prontos para mais novos desafios.
Espero que o Megadeth obtenha seu legítimo reinado, com seus novos trabalhos por vir, e acima de tudo, com o segredo do seu sucesso: música de qualidade.

"A Tout Le Monde" é uma prova de que o cara manda muito bem, e ainda consegue a proeza de transformar uma música em um hino poderoso, como "Symphony Of Destruction".

É isso aí! Mega10!

Abraços Rocker!

Anônimo disse...

Dragz, eu gosto do Megadeth até o Cryptic Writings (ou Needles and Pins). Acho que eles meio que elevaram o patamar do Thrash. Infelizmente, Deus não dá asa pra cobra, então ele fez Dave Mustaine, um Tommy Iommi do thrash mas com uma mentalidade do Curly dos Três Patetas, ou o Hommer Simpson.

Dragztripztar disse...

Muita gente pode estranhar, mas o Cryptic Writings é o preferido do Marty Friedman.
Eu acho que o patamar do Megadeth foi elevado com a entrada do Friedman. Mas não sei bem se ele influenciou muito nas composições ou se entrou quando ocorria uma evolução natural.
Porém o Megadeth já se destacava antes, a prova tá aqui e no sucessor, que tem uma das minhas músicas preferidas: In My Darkest Hour.
E na disputa Megadeth x Metallica, eu fico com o Slayer.

Anônimo disse...

òtimo post e falando do Peace sells.. esse disco, qdo foi lançado, foi o meu 1º LP com sonosridade desconcertante. Já tinha o KillemAll, o Live Undead, mas esse me fez olhar o trash com admiração e reverência. Tb sou fã incontestável até o Crypt W,, tendo todas as músicas de CD´s anteriores como classicas e alguns hinos como Peace sells, Countdown..., Hangar 18+ a dobradinha que dispensa apresentações, entre tantas outras.

Z disse...

Discaço. O problema dos "4" é que só o Slayer manteve a pedrada.
Megadeth, Metallica e Anthrax fizeram obras primas e muita merda também...

Anônimo disse...

Trollagem, pra não perder o costume...


Megadeth>>>>>>Metallica