Lembre-se

Comentar em alguma postagem não irá lhe custar mais do que alguns segundos. Não seja um sanguessuga - COMENTE nas postagens que apreciar!

Os links para download estão nos comentários de cada postagem.

Acesse: www.vandohalen.com.br

quinta-feira, 26 de maio de 2011

The Cult - Electric [1987]


Um divisor de águas na carreira de um grupo que em seu início investia em um som mais gótico e alternativo, mas queria direcionar sua carreira por outro rumo. E o grande responsável foi um produtor que naquele momento havia ficado conhecido com o trabalho em três grandes clássicos dos anos 80: License to III dos Beastie Boys, o parrudo Reign in Blood do Slayer e Raising Hell do Run-D.M.C. Sim, Rick Rubin foi o Midas que conseguiu transformar em ouro o trabalho do The Cult, e ajudou na construção do disco definitivo da carreira do grupo.

Tudo começou quando no verão de 1986, quando a banda entra em estúdio com o produtor Steve Brown, que já havia trabalhado anteriormente com eles no lançamento do clássico Love. Mas o resultado final não agradou o grupo, que passou a procurar um novo produtor. E foi nessa procura que Rick Rubin apareceu no caminho do grupo. Logo que ouviu o som, Rubin viu o potencial que havia ali, e os levou para o lendário estúdio Electric Ladyland, onde com alguns instrumentos alugados, onde ele apenas disse para que tocassem de verdade. E a banda fez isso, o que resultou no empolgante "Electric".


Os destaques aqui vão para os monstros Billy Duff e Ian Astbury. Duff dá um show a parte nas guitarras, com riffs e solos que nos remetentem aos grandes guitarristas do anos 70, como Jimmy Page, Angus Young e Ritchie Blackmore e com uma personalidade ímpar, que vai fazer a festa de quem gosta de distorção e solos bem feitos. Astbury mesmo com uma linha vocal que não é a característica para uma banda de hard naquela época, consegue imprimir uma interpretação excelente, onde o seu vocal soa de maneira tão suja que em alguns momentos podemos até imaginar o suor escorrendo pelo microfone. A cozinha Stewart/Warner aqui se contenta em apenas fazer a parede sonora para que os dois principais membros do grupo brilhem, mas ainda assim fazem um trabalho correto.

O som que ouvimos é um hard cheio de pitadas de blues rock, em que você identifica de maneira muito clara a influência de bandas como AC/DC, Led Zeppelin e o Aerosmith dos anos 70, o que sabemos muito bem que é garantia de qualidade indiscutível. "Wild Flower" começa já atestando isso, onde é impossível não se lembrar do magnífico som dos australianos, aquele arroz-com-feijão que todos nós gostamos demais. Riff simples, mas daqueles que cativam e ficam horas gravados na mente. "Lil' Devil" que tem menos de três minutos de duração, consegue a proeza de ser memorável em um espaço tão curto de tempo, com sua veia blues apaixonante e um solo bacana. Dá para imaginar "Peace Dog" sendo cantada por Plant, pois a música tem a cara do Led Zeppelin.



"Electric Ocean" é uma das músicas mais sujas e legais de todo o disco, com um andamento sem frescura alguma, com riffs hipnotizantes, um ótimo solo no meio da canção, onde Warner também faz um solo de bateria e é um complemento interessante para essa faixa. Mas indiscutivelmente o grande momento do registro é a brilhante "Love Removal Machine" que começa sorrateira, meios como sem querer nada e vai crescendo, até que explode em um solo espetacular de Billy Duff, em que ele desce o braço nas seis cordas sem dó alguma. O trabalho vocal de Astbury também é perfeito e a cozinha faz sua lição de casa de maneira empolgante e é impossível resistir a mesma. O cover da clássica "Born To Be Wild" ganhou uma roupagem energética e um charme a mais com os vocais de Astbury.

Um excelente registro, que demonstra um som sincero e vigoroso por parte de todo o grupo. Se você é daqueles chegados a um hard carregado de raízes bluseiras, pode ter certeza que essa é a pedida certa. Um dos grandes registros do hard oitentista, sem sombra de dúvidas!




1.Wild Flower
2.Peace Dog
3.Lil' Devil
4.Aphrodisiac Jacket
5.Electric Ocean
6.Bad Fun
7.King Contrary Man
8.Love Removal Machine
9.Born to Be Wild
10.Outlaw
11.Memphis Hip Shake


Ian Astbury – voz
Billy Duffy – Guitarra
Jamie Stewart – Baixo
Les Warner – Bateria



By Weschap Coverdale

12 comentários:

Anônimo disse...

http://www.mediafire.com/?m5a1m9c12qm8w0k

Andarilho disse...

Sensacional esse disco e bela resenha. Meu trabalho preferido do Cult era o desconhecido 1994, mas quando ouvi Eletric pela primeira vez vi que estaria emparado em primeiro. Esse é daqueles que vale estar na prateleira. Abraços pessoal! Belo texto!

Ricardo Brovin disse...

Parabéns Brother postagem e resenha de altíssimo nível!!! ao som de Always(Bon Jovi)!!!

Anônimo disse...

Grande post!
Valeu!

Beto disse...

Excelente disco e melhor ainda a resenha !!!

Junior Sousa disse...

Na minha opinião, este é o melhor disco do Cult. A transição do Love para o Electric, foi um certeira o que consolidou o estilo do Cult. Tive a oportunidade de ver um Show deles na época do Ceremony e ainda sim, mandaram muito bem. Parabéns pelo post! Sensacional como o Electric!

Anônimo disse...

Olá trata-se a 1ª vez que vi o teu espaço online e reflecti imenso!Espectacular Projecto!
Até à próxima

AlBassPlayer disse...

Weschap: a frase do final de sua resenha "Um dos grandes registros do hard oitentista..." poderia resumir tudo o que se fala deste disco. A trilogia, "Love", "Electric" e "Sonic Temple" marcaram a história do Hard Rock. Maravilha de post.

Anônimo disse...

Disco fodão. Um dos melhores discos de rock dos anos sessenta. E a última música é foda, cheia de quebradas.

Aliás, aprendi a tocar bateria ouvindo esse disco. Todas as músicas são bem técnicas e bem fáceis de serem executadas. Em menos de um ano, era um bom baterista.

dnlz disse...

Esse album é clássico eu tinha tudo do The Cult, inclusive o the southern of dead Cult, primeiraço. Mas definitivamente em Love eles fecharam com chave de ouro a tendência "gótica", aliáz que para mim era mais psicodélica. E entraram com tudo no Hard Rock durão , posso dizer que eles estavam com tudo , e tive a sorte de assitir eles em Smapa com o Matt Sorun na batera.
Maravilhosamente, para variar mandou bem de mais, no post brother!!

Érico disse...

Melhor álbum deles, mais direito e sem frescura, impossível...

Anônimo disse...

Link inválido!!! por favor, arrumem!!